Tempo
|
A+ / A-

Camarate

“Há um abismo moral entre quem se inspira em Sá Carneiro e Amaro da Costa e partidos que instigam o ódio e o ressentimento”

05 dez, 2020 - 00:36 • Sérgio Costa

Adolfo Mesquita Nunes considera ilegítimo usar a imagem das vítimas de Camarate como exemplo para o que quer que seja na política nacional.

A+ / A-

"A morte prematura de Sá Carneiro e Amaro da Costa permitiu projetar muitas das virtudes e características heroicas que gostamos nos líderes que nos inspiram".

A frase é proferida por alguém que tinha três anos de idade num dos dias mais trágicos, traumáticos até, da democracia portuguesa: 4 de dezembro de 1980, o dia da tragédia de Camarate.

Quarenta anos depois, Adolfo Mesquita Nunes olha em particular para Amaro da Costa, antigo vice-presidente do CDS (cargo que Mesquita Nunes também desempenhou) para sublinhar que o partido vive há quatro décadas "em estado de viuvez pela perda de um companheiro que julgávamos para a vida toda".

Mesquita Nunes retrata as sedes do CDS como reservas da memória do antigo ministro da defesa, com fotografias e frases espalhadas pelas paredes, uma constante memória de alguém que "tinha uma enorme bonomia com os militantes", razão pela qual, diz, todos no partido "têm a sensação de que conviveram com ele".

Num olhar para o legado das duas personalidades, o ex-vice do CDS sublinha que Francisco Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa foram a demonstração de que a direita poderia governar sem pôr em causa a liberdade, clarificando que "o sistema político português tem dois lados que podem alternar no poder".

O abismo moral

Fará sentido fazer o exercício de imaginar como seria o país se Camarate não tivesse acontecido? À pergunta, Adolfo Mesquita Nunes responde que sim enquanto exercício inspirador, sublinhando gostar de pensar que teria sido possível manter um ímpeto reformista iniciado pela AD. Contudo, ao mesmo tempo, diz ser "pouco legítimo usar o nome de Amaro da Costa e Sá Carneiro para o que quer que seja na política atual".

Sem pretender alongar-se em comentários sobre o momento político do país, e sobre o crescimento de um partido como o Chega, o antigo dirigente centrista defende que qualquer ideia pretendente a ser uma réplica da AD tem de se inspirar na veia reformista e de modernização.

Amaro da Costa e Sá Carneiro, lembra, eram pessoas com "princípios bastante firmes, pela moderação, pela democracia liberal". Características que Adolfo Mesquita Nunes sublinha para defender que "há um abismo moral e ético" entre estes princípios e partidos que instigam o ódio. "Se a AD nos pode servir de inspiração que seja para um projeto de liberdade e reformas", conclui.

Nesta entrevista à Renascença, Adolfo Mesquita Nunes convida à leitura do seu livro “A Grande Escolha” onde faz a defesa da globalização no momento em que movimentos populistas exploram as consequências de uma crise internacional.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rui Benvindo
    05 dez, 2020 Ovar 09:47
    GRANDE!!!! Este senhor é GRANDE!!!!

Destaques V+