Tempo
|
A+ / A-

​Rede Mundial de Oração do Papa transforma-se em Fundação Vaticana

04 dez, 2020 - 16:05 • Ana Lisboa

Os novos estatutos foram aprovados por Francisco e entram em vigor a partir do dia 17 de dezembro.

A+ / A-

Confiada aos cuidados da Companhia de Jesus, e assim vai continuar, a Rede Mundial de Oração do Papa vai passar a ser uma Fundação Vaticana, anunciou a Santa Sé.

O comunicado, citado pelo Vatican News, refere que o Santo Padre "erigiu, como pessoa jurídica canônica e vaticana, a Fundação Rede Mundial de Oração do Papa, antigo Apostolado da Oração, com sede no Estado da Cidade do Vaticano. O organismo continuará aos cuidados da Companhia de Jesus. Os estatutos, aprovados pelo Papa, entrarão em vigor a partir de 17 de dezembro, 'ad experimentum' por três anos a partir da data de aprovação".

O objetivo da Fundação é "coordenar e animar o vasto movimento espiritual" que acolhe e difunde as intenções de oração mensais propostas pelo Papa à Igreja.

Francisco nomeou o padre Frederic Fornos, para o cargo de Diretor Internacional desta Obra Pontifícia.

Esta nova Fundação, com origem no Antigo Apostolado da Oração, nasceu em França em 1844, com o Padre Jesuíta François-Xavier Gautrelet. Inicialmente destinado aos jovens jesuítas durante a sua formação inicial, expandiu-se como movimento laical, responsável por difundir e rezar pelas intenções do Papa em todo o mundo, tendo chegado a 35 milhões de membros em 98 países, incluindo Portugal.

Entre os seus projetos internacionais, destaque para a aplicação de propostas de oração Click to Pray e o Passo a Rezar, que todos os meses difunde, através de um vídeo, as intenções de oração que o Papa confia a toda a Igreja.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.