Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Venezuela pede na ONU o fim das sanções para fortalecer o combate ao coronavírus

03 dez, 2020 - 23:17 • Lusa

Nicolás Maduro considera que o seu país tem respondido de forma eficiente à pandemia.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente Nicolás Maduro, pediu esta quinta-feira, na ONU, que cessem as sanções internacionais contra a Venezuela, para fortalecer o combate à Covid-19 no seu país, sublinhando que as restrições ocasionaram perdas superiores a 33,6 mil milhões de euros.

“É hora de as grandes potências cederem e suspenderem essas sanções criminais que minam os esforços locais para combater a Covid-19 (…) mais ainda se temos em conta a sua ilegal aplicação”, disse.

Nicolás Maduro falava de maneira virtual na 75ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidos, durante a qual explicou que a Venezuela tem tido complicações para aceder à compra de medicamentos para combater a Covid-19.

“Condeno que alguns países poderosos, do Norte, concebam a pandemia como uma oportunidade adicional de impor os seus interesses hegemónicos, mediante o recrudescimento de medidas coercitivas unilaterais”, disse.

Maduro explicou que a Venezuela “perdeu 40 mil milhões de dólares [33,6 mil milhões de euros], que são património do povo [venezuelano] em bancos dos Estados Unidos e da Europa e está impedida de aceder às contas”.

No entanto, segundo Nicolás Maduro, a Venezuela tem respondido de maneira eficiente contra a pandemia.

“Temos 100 mil casos positivos, dos quais 95% se recuperaram com sucesso, pouco menos de 900 mortes. A mortalidade é de 0,87%, uma das mais baixas da região e do mundo. Graças ao atendimento hospitalar, mais de 98% das pessoas já foram atendidas, tratadas gratuitamente com todos os medicamentos”, frisou.

O chefe de Estado explicou ainda que a Venezuela buscará alianças internacionais para a produção em massa da molécula DR10 (estudada por científicos venezuelanos e que tem aparentes propriedades curativas contra o coronavírus), se for avalizada pela ONU e pela Organização Mundial de Saúde.

Na Venezuela estão confirmados 103.067 casos de coronavírus e 905 mortes associadas à Covid-19. Entretanto, 98.030 pessoas recuperaram da doença.

O país está desde 13 de março em estado de alerta, o que permite ao executivo decretar “decisões drásticas” para combater a pandemia.

Em 30 de novembro último a Venezuela iniciou uma flexibilização, que durará durante dezembro, da quarentena decretada devido à Covid-19, permitindo a abertura geral, durante a quadra do natal, do comércio e dos distintos setores económicos, mas com medidas de segurança para evitar a propagação do novo coronavírus.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.500.038 mortos resultantes de mais de 64,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 4.724 pessoas dos 307.618 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+