Tempo
|
A+ / A-

UE aprova duas vacinas para a Covid-19 até 12 de janeiro

01 dez, 2020 - 17:28 • Redação

Em causa estão as vacinas da Pfizer e da empresa de biotecnologia alemã BioNTech, e a da Moderna.

A+ / A-

Veja também:


Com a Europa a ultrapassar o trágico limiar das 400.000 mortes por covid-19, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) planeia acelerar os processos de aprovação das duas vacinas que já a solicitaram: a da Pfizer e a empresa de biotecnologia alemã BioNTech e o da Moderna, ambos baseados em RNA. A primeira poderá ter sinal verde no dia 29 de dezembro e a Moderna no dia 12 de janeiro, conforme anunciado esta terça-feira pela entidade europeia, e noticiado pelo jornal espanhol "El País".

A EMA espera que o Comité dos Medicamentos de Uso Humano (CHMP), órgão encarregado de dar sinal verde à comercialização de vacinas, conclua em reunião a avaliação da segurança e eficácia dos protótipos extraordinário que ocorreria "no máximo" nas datas indicadas, confirmou uma porta-voz da agência.

Assim que obtiverem a aprovação da EMA, cabe à Comissão Europeia tomar a decisão final sobre o lançamento no mercado europeu. Dada a urgência, essa autorização será tomada rapidamente. “Provavelmente será uma questão de dias”, disse um porta-voz do Community Executive esta tarde. Com essas previsões, as campanhas de vacinação poderiam ser lançadas no início do ano, tendo como prioridade os grupos mais expostos (profissionais de saúde e idosos).

Ursula von der Leyen, que faz um ano à frente da Comissão Europeia (CE) nesta terça-feira, avisou que as autorizações vão responder apenas aos critérios de eficácia e segurança das vacinas, embora tenha mostrado esperança de que estes dois critérios obtenha a certificação nos próximos dias e comece outra frente: construir “narrativas fortes” para combater o movimento antivacinas e a desinformação.

“A vacinação é autoproteção e solidariedade”, disse Von der Leyen nesta terça-feira na abertura de um fórum digital dedicado ao setor de saúde europeu.

A presidente da Comissão Europeia sublinhou que o desenvolvimento de vacinas significou “um progresso sem precedentes” e pediu solidariedade com iniciativas que visem garantir “tratamentos para todos”. “Agora sabemos que derrotar este vírus é possível, mas nenhum país ou governo pode fazer isso sozinho. Isso ocorre em nível global, dentro da Europa e entre os setores público e privado ”, afirmou.

A aliança Pfizer e BioNTech apresentou na terça-feira o pedido de autorização condicional para a vacina covid-19 à EMA, enquanto a empresa Moderna o apresentou na segunda-feira. A solicitação ao órgão regulador europeu ocorre depois que as empresas também solicitaram a aprovação dos Estados Unidos com a intenção de lançar sua vacina o mais rápido possível.

Bruxelas fechou na semana passada um contrato com a empresa Moderna para adquirir 160 milhões de doses (com as quais 80 milhões de pessoas poderiam ser vacinadas, já que é tomada em duas doses) e fechou um acordo no início de novembro para adquirir até 300 milhões de doses do protótipo Pfizer / BioNtech (para 150 milhões de pessoas).

Até ao momento, Bruxelas assinou acordos para adquirir mais de um bilião de doses de um portfólio diversificado de laboratórios.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Santos
    01 dez, 2020 Tojal 19:48
    Bom dia Na minha qualidade de cidadão nacional, em idade de risco, ponho a minha vacina à disposição do membro do governo mais patriota.