Tempo
|
A+ / A-

Assaltantes tomam banco "à la Casa do Papel" no Brasil

01 dez, 2020 - 18:04 • Lusa

Um grupo de 30 homens encapuzados e armados cercaram o centro da cidade de Criciúma.

A+ / A-

Um grupo de 30 homens encapuzados e armados semeou o terror durante um assalto a um banco em Criciúma, cidade localizada no interior do estado brasileiro de Santa Catarina, onde fizeram reféns e bloquearam estradas.

Segundo a polícia local, homens “muito bem preparados” participaram no assalto e utilizaram um método de “acção simultânea” para causar terror e dispersar as autoridades durante o crime. Até agora ninguém foi detido.

O assalto ocorreu no início da madrugada, quando o centro da cidade de 200 mil habitantes foi totalmente bloqueado pelos assaltantes, que dispararam tiros e fizeram reféns enquanto roubavam uma agência do Banco do Brasil.

Os agressores atacaram um grupo da polícia e fizeram reféns vários funcionários que pintavam faixas de segurança nas ruas. Também montaram barricadas para impedir que os polícias entrassem no local do crime.

Até ao momento não se sabe o valor total do roubo, parte do qual foi deitado na rua pelos agressores para entreter as autoridades enquanto fugiam. No entanto, estima-se que seja um valor alto, devido à quantidade de caixas de dinheiro vista dentro do camião usado no crime. O golpe foi qualificado como “extremamente violento”.

O presidente da câmara da cidade, Celsio Salvaro, pediu calma aos habitantes.

Durante o ataque, um polícia e um segurança ficaram feridos. O assalto foi tão violento que as autoridades tiveram de solicitar reforços dos batalhões vizinhos.

A polícia brasileira informou que os criminosos fugiram em dez carros de grande potência, que depois deixaram abandonados a cerca de 18 quilómetros da cidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.