Tempo
|
A+ / A-

Startup portuguesa usa plástico do mar para criar máscaras de proteção contra Covid-19

30 nov, 2020 - 10:57 • Lusa

Entre sapatilhas, bolsas e máscaras, já foi retirada “quase uma tonelada de plástico dos oceanos, o que equivalente a mais de 28 mil garrafas de plástico”.

A+ / A-

Uma startup portuguesa incubada no Parque da Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC), designada Skizo, está a utilizar o plástico encontrado no oceano para produzir máscaras de uso profissional e comunitário de proteção.

André Facote, fundador da Skizo, explicou que no primeiro aniversário da empresa, em março de 2020, se viu “desafiado” pela pandemia da Covid-19.

Com as vendas em território nacional, que representam 60% da faturação da startup, paradas “durante dois meses”, a empresa, que transforma o plástico recolhido nos oceanos em calçado personalizado decidiu “arregaçar mangas” e “reinventar-se”.

“Fomos desafiados, porque tínhamos pessoas perto que tinham habilidade de costura, mas que não tinham um prato de sopa para comer. Foi aí que iniciamos a produção de máscaras”, referiu.

Em maio, com as vendas de sapatilhas a “recuperarem lentamente” e as máscaras já certificadas, a Skizo começou a produzir com a ajuda de costureiras portuguesas e a vender o modelo nível 3, vulgarmente designadas de uso comunitário.

Este modelo de máscaras, de duas camadas, é composto 44% por algodão orgânico e 56% por fio que resulta do plástico recolhido do oceano.

Segundo André Facote, cada máscara deste tipo equivale a “cerca de duas garrafas de plástico”.

Além deste modelo, a Skizo começou, no início de setembro, a produzir máscaras de nível 2 certificadas para uso profissional e que equivalem a “cerca de cinco garrafas de plástico”.

Até ao momento, André Facote afirmou que a startup, que produz de acordo com a procura, já vendou mais de quatro mil máscaras que são certificadas pelo CITEVE para 25 lavagens, pelo AITEX (Espanha) para 50 lavagens e pela EUROFINS (União Europeia) para 100 lavagens.

Desde a fundação da Skizo, o responsável revelou que, entre sapatilhas, bolsas e máscaras, já foi retirada “quase uma tonelada de plástico dos oceanos, o que equivalente a mais de 28 mil garrafas de plástico”.

André Facote disse ainda que a empresa está “a recuperar” as vendas, podendo mesmo atingir este mês o “recorde de vendas” de janeiro com mais de 46 pares de sapatilhas” vendidos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+