Tempo
|
A+ / A-

Paddy Cosgrave.“Rui Pinto? Não vejo porque não convidá-lo para a Web Summit em 2021”

26 nov, 2020 - 07:30 • José Pedro Frazão

O homem forte da maior conferência digital do mundo admite que o português pode ser um orador com interesse para a próxima edição e garante que não repete demasiados nomes no alinhamento das cimeiras. A Web Summit diz-se uma mera "plataforma de media" deixando a tarefa de mudar o mundo para outras entidades e instituições.

A+ / A-
Paddy Cosgrave.“Rui Pinto? Não vejo porque não convidá-lo para a Web Summit em 2021”
Paddy Cosgrave.“Rui Pinto? Não vejo porque não convidá-lo para a Web Summit em 2021”

O co-fundador da WebSummit, Paddy Cosgrave, admite convidar Rui Pinto para a cimeira tecnológica do próximo ano em Lisboa. Um ano após a conferência em que a estrela foi o analista de sistemas Edward Snowden, a possibilidade do português Rui Pinto ser um dos oradores não foi concretizada este ano, mas o homem forte da Web Summit admite isso pode acontecer já em 2021.

Sobre a edição deste ano, Paddy não abre o jogo. "Podemos tê-lo convidado. Podemos não tê-lo convidado. Não sei a resposta a essa pergunta", responde o irlandês. Cosgrave separa as águas em relação ao norte-americano, mesmo se possam navegar nas mesmas ondas.

"Não há razão para que ele não fale nos próximos anos. Snowden é uma espécie de superestrela global. Acho que Rui Pinto é o Edward Snowden português. E talvez a sua história possa ser do interesse dos participantes de todo o mundo. E ele poderia ser um orador muito interessante em 2021", admite Paddy Cosgrave, entrevistado pela Renascença em Lisboa.

O co-fundador da Web Summit garante que a escolha dos oradores obedece a critérios de pluralismo. Questionado sobre escolhas recorrentes nas várias edições, Paddy assegura que há 100 nomes repetidos mas cerca de 700 oradores a estrear.

"Nós não somos uma agência. Oferecemos às pessoas uma plataforma com os diferentes lados onde, de certa forma como um parlamento, não restringimos quem fala. Permitimos todas as vozes e o que elas fazem com a plataforma depende muito desses indivíduos e até essas instituições ou agências, sejam António Guterres, Al Gore ou Tristan Harris. Somos uma plataforma e fazemos o nosso melhor para destacar questões que consideramos importantes. Mas não pretendemos ser algum tipo de agência que pode mudar o mundo. Podemos dar voz às pessoas. Somos uma plataforma de média, igual a outras em todo o mundo", afirma.

A Web summit de 2020 realiza-se de 2 a 4 de dezembro de forma virtual.

A organização espera chegar a 120 mil participantes pela internet e assegura que é possível estabelecer um conjunto de contactos informais entre os portadores de bilhete através das suas plataformas.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.