Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Abate de milhões de visons assombra a Dinamarca

26 nov, 2020 - 19:16 • Filipe d'Avillez Lusa

A indústria de produção de visons está arruinada, a primeira-ministra lavada em lágrimas, o Governo sobre fogo e um ministro já se demitiu enquanto milhares de cadáveres dos animais abatidos começam a surgir à superfície das valas comuns onde foram depositados.

A+ / A-

Veja também:


O abate de 17 milhões de visons na Dinamarca nunca iria ser um espetáculo bonito, mas poucos esperavam que a decisão, tomada por razões sanitárias, continuasse a assombrar o país semanas depois de ter sido tomada pelo Governo.

O abate foi ordenado por terem sido detetados surtos de infeção com coronavírus em várias produções de vison, uma indústria que na Dinamarca emprega cerca de seis mil pessoas e vale cerca de 670 milhões de euros por ano em exportações de peles. Entre as estirpes de coronavírus encontrava-se uma que, caso se propagasse a humanos poderia pôr em causa a eficácia das vacinas que estão a ser desenvolvidas para a Covid-19.

O Governo não hesitou e mandou abater toda a população de visons no país, arruinando de uma assentada toda a indústria de produção de vison dinamarquesa. O problema, como o próprio executivo se viu obrigado a reconhecer, é que o Estado não tem qualquer base legal para mandar abater animais saudáveis. O erro custou o cargo ao ministro da Agricultura.

Esta quinta-feira a primeira-ministra, Mette Frederiksen, desfez-se em lágrimas depois de ter ido visitar uma produção de visons. Em declarações aos jornalistas afirmou que “temos aqui duas gerações de produtores de altíssima qualidade, pai e filho, que em muito, muito pouco tempo viram todo o trabalho das suas vidas destruído”, disse Frederiksen. “Tem sido um tempo emocional para eles, e… peço desculpa, para mim também”, concluiu, já em lágrimas.

O episódio do abate dos 17 milhões de animais foi agravado pelo facto de os seus restos mortais não terem sido tratados de forma correta. Numa base militar onde foram abertas valas comuns para receber os cadáveres tornou-se aparente que estas não tinham profundidade suficiente. A emissão de gases devido à decomposição dos animais fez com que milhares de corpos de vison emergissem novamente, proporcionando um espetáculo degradante e imagens que começaram a circular rapidamente nas redes sociais.

As autoridades procuram agora tapar novamente as valas, com mais terra e já disseram que as próximas sepulturas terão de ser mais profundas. O perigo de propagação continua a ser real, pois apesar de esta se fazer principalmente por vias respiratórias, há ainda quantidades significativas do vírus nos cadáveres dos animais para apresentar um risco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.