Tempo
|
A+ / A-

Ivkovic recorda aposta com Maradona. “Não sei da camisola, mas fiquei com os 100 dólares”

25 nov, 2020 - 18:21 • Pedro Azevedo

31 anos depois do episódio da aposta do penalti em Nápoles frente ao Sporting, Ivkovic revela como ganhou a aposta feita em campo com o astro argentino

A+ / A-

Uma das mais famosas histórias do futebol que envolvem Maradona tem como protagonista o ex-guarda-redes do Sporting Ivkovic. Numa eliminatória da Taça UEFA, em 1989/90, o Sporting defrontou o Nápoles de Maradona.

"El Pibe" falhou um penálti, mas o Nápoles passou vencendo por 4-3 no desempate por grandes penalidades, após uma igualdade a zero nas duas mãos.

O penálti defendido pelo croata Ivkovic, guarda-redes do Sporting, teve uma aposta feita em pleno relvado do Estádio San Paolo, em Nápoles. Ivkovic recorda o episódio em declarações a Bola Branca.

“O penálti podia ser decisivo e quando Maradona pegou na bola eu perguntei-lhe em frente ao árbitro, que era francês, se queria apostar comigo a 100 dólares como eu defenderia o penálti. O árbitro e o Maradona riram-se e ele aceitou. Maradona falhou o penálti e eu ganhei a aposta. No final do jogo fui ao balneário dele. Pagou os 100 dólares e ofereceu-me a camisola. Tenho pena porque não sei onde está a camisola, mas o episódio ficou no meu livro de memórias”, revela o antigo guarda-redes.

Ivkovic voltou a encontrar Maradona, mas pouco mais falou com o astro argentino. “Apenas uma vez, antes de um jogo entre a Argentina e a Jugoslávia trocamos breves impressões, mas sentia que ele tinha receio de falar comigo principalmente quando chegou a altura dos penáltis”, refere o croata.

Exemplo para os jovens

Ivkovic ficou surpreendido com a morte de Maradona aos 60 anos, depois das últimas notícias sobre o estado de saúde do antigo jogador argentino.

“É uma notícia triste que me apanha de surpresa porque pensava que estava recuperado depois da cirurgia a que tinha sido sujeito há algumas semanas", afirma o antigo guardião a Bola Branca.

"Ele vai ficar na minha memória e do mundo futebolístico pela grandeza do jogador que era mas também pela vida que levava fora do campo. Era um exemplo para os jovens como grande jogador e o que fazia para vencer quando era pobre no seu início da sua vida desportiva e mais tarde um exemplo para os jovens saberem o que não devem fazer fora do campo”, considera.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.