Tempo
|
A+ / A-

Eleições EUA

"Os EUA estão de volta, prontos para liderar o mundo", garante Joe Biden

24 nov, 2020 - 23:38 • Redação com Lusa

Durante a apresentação das equipas da diplomacia e da segurança nacional, o Presidente eleito prometeu honrar os compromissos e garantiu que o país está pronto "para liderar o mundo e não para se retirar".

A+ / A-

Joe Biden anunciou esta terça-feira que os Estados Unidos estão "de volta" e prontos para "liderar o mundo”.

"Não subestimo, nem por um segundo, as dificuldades em cumprir os ousados compromissos de combate às alterações climáticas. Mas, ao mesmo tempo, ninguém deve subestimar, nem por um segundo, a minha determinação em fazê-lo", sublinhou Biden.

O Presidente eleito deixou, ainda, a garantia de que “esta equipa reflete o facto de que a América está de volta, pronta para liderar o mundo e não para se retirar”.

Esta terça-feira, a cerimónia de apresentação dos elementos que compõem as equipas diplomática e de segurança nacional da futura administração, foi a primeira aparição pública do Presidente eleito dos EUA, desde que Donald Trump deu instruções à Administração dos Serviços Gerais (GSA) para dar início à transição de poder.

O processo estava a ser bloqueado pela atual administração, sustentando a decisão na crença infundada de que o resultado das presidenciais era fraudulento.

"No melhor interesse do nosso país, recomendei a Emily [Murphy, responsável da Administração dos Serviços Gerais dos EUA] e à sua equipa para fazerem o que tem de ser feito em relação aos protocolos inicias [de transição de administrações], e disse à minha equipa para fazer o mesmo", escreveu Trump na rede social Twitter, ao final da noite de segunda-feira.

Contudo, Donald Trump não admitiu formalmente a derrota nas presidenciais e considerou, no mesmo tweet que o ainda há hipóteses de reverter os resultados eleitorais.

"O nosso caso continua fortemente, vamos manter a boa luta e acredito que vamos prevalecer", explicitou Donald Trump.

À medida que vários estados, principalmente aqueles que Biden conseguiu 'virar' e que são de 'grande peso' dentro do Colégio Eleitoral, como, por exemplo, a Geórgia e a Pensilvânia, anunciavam a vitória do democrata, a candidatura de Trump intensificava as alegações nunca comprovadas de fraude eleitoral.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.