Tempo
|
A+ / A-

"Habilidade saloia". PSD critica Governo por permitir congresso do PCP

20 nov, 2020 - 09:30 • Redação com Lusa

O líder parlamentar do PSD confirmou o voto favorável dos sociais-democratas ao pedido de renovação da emergência.

A+ / A-

"Para uns ditam-se proibições, para outros aceitam-se exceções. Milhões de portugueses bloqueados em casa. Umas centenas de militantes comunistas em alegre convívio congressista". A critica foi deixada pelo líder parlamentar do PSD, Adão Silva, no debate sobre o pedido de renovação do estado de emergência, no Parlamento.

O PSD pediu ao Governo que seja "claro, coerente e politicamente honesto".

O deputado social-democrata deu como certo que "nos dias que correm, o Governo deve a sua sobrevivência política ao PCP", mas defendeu que o que importa é a sobrevivência dos portugueses, das empresas, do emprego e dos serviços de saúde.

"Só esperamos que o Governo não esteja a tentar alguma habilidade saloia, enganando tudo e todos, para não deixar o PCP sem Congresso. Seria o cúmulo do ridículo…e o ridículo como a pandemia mata”, criticou.

Adão Silva acusou os dirigentes do PCP de "prepotência e arrogância" por manter o Congresso marcada para entre 27 e 29 de novembro, em Loures, e o Governo de "silêncio cúmplice" e colocou como primeira exigência ao Governo que seja "claro, coerente e politicamente honesto".

O regime legal do estado de sítio e do estado de emergência estabelece que "as reuniões dos órgãos estatutários dos partidos políticos, sindicatos e associações profissionais não serão em caso algum proibidas, dissolvidas ou submetidas a autorização prévia".

Logo no início da sua intervenção, o líder parlamentar do PSD confirmou o voto favorável dos sociais-democratas ao pedido de renovação da emergência.

"Fazemos a nossa parte, no limite das nossas capacidades e das nossas competências. Por isso, estamos em condições de exigir que o Governo faça o que tem de ser feito nestes tempos excecionais", defendeu Adão Silva.

Além da exigência de coerência ao Governo, o PSD - que classificou a comunicação como "defeituosa e incompreensível" - e exigiu ao executivo que "pare com a cegueira ideológica".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Almeida
    22 nov, 2020 Caldas da Rainha 11:28
    Esta posição de António Costa é clarinha como água: O PCP aprova o OE e o PS fecha os olhos à realização do congresso em Loures! Nada mais que uma moeda de troca! O resto é conversa fiada!
  • Roberto Sá
    21 nov, 2020 Coimbra 08:56
    Vê lá não te toque a ti "viabilizar" congressos do Chega. Basta de PSD Chega!!!!
  • José Gaspar
    20 nov, 2020 Leiria 11:10
    Esta é para rir “O PSD pediu ao Governo que seja "claro, coerente e politicamente honesto," pedir coerência aos outros quando nós próprios não somos coerentes, onde está a coerência do PPD quando tanto atacou o Chega e nos Açores aliou-se a ele, ou quando são governo chumbam a chamada dos sues ministros e outros e quando são oposição exigem a presença dos ministros na A.R.? Coerência parece que para o PPD é só quando exigem aos outros o que eles recusam, até hoje não vi coerência alguma em nenhum dos partidos com assento na A.R. excepto o PCP mas esse é o de quanto pior o País estiver melhor estão eles, mudam de opinião conforme o vento sopra, ou seja aquando lhes convém,
  • João Lopes
    20 nov, 2020 Viseu 10:13
    Os comunistas não se preocupam com o bem comum, mas apenas com o "bem” do seu partido que sendo marxista, não olha a meios para atingir os fins. O PCP caminha apressadamente para o seu fim… boa viagem e sem regresso! E que levem com eles os irmãos comunistas-capitalistas do Bloco de Esquerda!