Tempo
|
A+ / A-

Portugal recebeu mais 27 refugiados ao abrigo de programa do ACNUR

20 nov, 2020 - 16:44 • Lusa

As quatro famílias, de nacionalidade síria, foram acolhidas no Porto, Gondomar, Vila Viçosa e Miranda do Corvo.

A+ / A-

Vinte e sete refugiados sírios provenientes da Turquia chegaram ontem a Portugal ao abrigo do Programa Voluntário de Reinstalação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), indicou o Governo esta sexta-feira.

Num comunicado conjunto, os gabinetes da ministra de Estado e da Presidência e do ministro da Administração Interna referem que os 27 cidadãos beneficiários do estatuto de refugiado são quatro famílias de nacionalidade síria, que foram acolhidas no Porto, Gondomar, Vila Viçosa e Miranda do Corvo.

Segundo o Governo, no âmbito do Programa Voluntário de Reinstalação do ACNUR e da Comissão Europeia chegaram, até ao momento, a Portugal 507 pessoas, 228 dos quais provenientes de campos de refugiados do Egito e 279 da Turquia.

Os ministérios tutelados pela Mariana Vieira da Silva e Eduardo Cabrita sublinham que o acolhimento e a integração das pessoas refugiadas têm sido “uma prioridade do Governo, num esforço contínuo que envolve o Estado central e autarquias locais, bem como entidades públicas e privadas, e que tem sido reconhecido pela ONU, pela Organização Internacional das Migrações, pela União Europeia e pelo Conselho da Europa”.

“Esta prioridade tem-se traduzido na participação ativa de Portugal no esforço europeu de acolhimento aos refugiados, através do apoio às propostas da Comissão Europeia no sentido da construção de uma política europeia de asilo comum, que seja assente nos princípios da responsabilidade e solidariedade, no respeito pela dignidade da pessoa humana e no combate ao tráfico de seres humanos”, precisa ainda o comunicado conjunto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.