Tempo
|
João Ferreira do Amaral
Opinião de João Ferreira do Amaral
A+ / A-

Batatas quentes

19 nov, 2020 • Opinião de João Ferreira do Amaral


Tudo parece de novo embrulhado ao nível da União Europeia.

Polónia, Hungria e também a Eslovénia são contra a cláusula de condicionalidade que o Conselho e o Parlamento Europeu querem introduzir no sentido de condicionar a disponibilização dos fundos de recuperação económica ao cumprimento das regras de um estado de direito por parte dos países receptores. Polónia e Hungria sabem que são os visados e por isso bloqueiam todo o processo que tem de ser aprovado por unanimidade.

Não parece que Hungria e Polónia venham a aceitar a cláusula pelo que provavelmente quem vai ter de ceder são os restantes estados. Não faz sentido bloquear fundos que são essenciais para a recuperação europeia e também não se está a ver como os dois países votem contra si próprios. Como muitos outros, não aprovo as restrições ao estado de direito que se estão a verificar nos dois estados, mas não é bom processo lidar com elas através de sanções deste tipo que, longe de enfraquecerem os alegados prevaricadores, só os irá fortalecer internamente. Maior flexibilidade do Conselho é, pois, necessária.

Outra confusão é a das dificuldades em chegar a acordo relativamente ao tratado que, supostamente a partir do próximo ano, irá regular as relações económicas entre o Reino Unido e a União Europeia. Há sem dúvida culpas de ambos os lados nestes escolhos, e em particular da União com a extraordinária ideia de usar as negociações para demonstrar que a saída da União não compensa, mas a verdade é que não parece existirem dificuldades verdadeiramente inultrapassáveis

O interessante é que estes dois problemas surgem durante a presidência alemã da União, supostamente uma presidência forte e que teria poder suficiente para desbloquear impasses. Vamos ver no pouco tempo que ainda resta até ao final do ano se a Alemanha fará milagres. Se não os fizer a “batata quente” passará para Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • César Augusto Saraiva
    21 nov, 2020 Maia 11:30
    Uma Vergonha! Como é que 25 países - verdadeiramente democráticos - se podem submeter à má vontade de outros 2 ditadores!?... Qual é a dificuldade de acabarem com essa regra da unanimidade? Não será mais fácil expulsá-los já que não aceitam as regras da democracia?... Francamente!...
  • António J G Costa
    19 nov, 2020 Cacém 14:26
    Portugal não é por agora, uma ameaça aos outros, países. Pode ser que colocando as "batatas quentes" num "cozido à portuguesa", as coisas se descompliquem um pouco. Vamos ver.