Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Bispos católicos desafiam União Europeia a superar crise com resposta conjunta e solidária

18 nov, 2020 - 16:23 • Ecclesia

Presidentes de Conferência Episcopais enviaram mensagem às instituições europeias e aos Estados-membros, pedindo que nova vacina esteja disponível para todos.

A+ / A-

A Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE) enviou esta quarta-feira uma mensagem às instituições europeias e aos Estados-membros, alertando para a necessidade de superar a crise da Covid-19 com uma com resposta conjunta e solidária.

“A esta crise que nos surpreendeu e apanhou desprevenidos, os países europeus reagiram inicialmente com medo, fechando as fronteiras internas e externas, alguns recusando-se até a partilhar entre os Países as provisões médicas mais necessárias. Muitos de nós estávamos preocupados que até a própria União Europeia, enquanto projeto económico, político, social e cultural, estivesse em risco”, refere o documento, divulgado online.

O texto, intitulado "Reencontrar A Esperança E A Solidariedade2, é assinado pelos presidentes dos episcopados que integram a COMECE, incluindo D. José Ornelas, da Conferência Episcopal Portuguesa.

Os signatários pedem, em particular que a vacina contra a Covid-19, seja “acessível a todos, sobretudo aos mais pobres”, assim que estiver disponível.

“A pandemia que nos atormentou nos últimos meses abalou muitas das nossas seguranças e mostrou a nossa vulnerabilidade e a nossa interdependência. Os idosos e os pobres em todo o mundo sofreram o pior”, pode ler-se.

O texto apela ao respeito pela liberdade de religião dos crentes, “em particular a liberdade de se reunirem para exercer a própria liberdade de culto, no pleno respeito pelas exigências de saúde”.

“Isto torna-se ainda mais evidente se se considera que as obras caritativas nascem e estão também enraizadas numa fé vivida”, acrescenta.

A COMECE sublinha que o futuro da União Europeia “não depende apenas da economia e das finanças”, mas também de “um espírito comum e de uma nova mentalidade”.
“Não devemos simplesmente dedicar todos os nossos esforços para voltarmos à ‘velha normalidade’, mas aproveitar esta crise para realizar uma mudança radical para melhor”, apela o organismo episcopal.
Os bispos católicos saúdam a resposta oferecida na União Europeia, com “renovada determinação”, e esperam que o instrumento para a recuperação da Covid-19 e o orçamento reforçado da União Europeia para 2021-2027, acordados na reunião do Conselho Europeu de julho, “possam refletir este espírito”.
Os responsáveis deixam uma “mensagem de esperança e um apelo à solidariedade”, reafirmando o compromisso na “construção da Europa” e nos seus valores fundadores de “solidariedade, liberdade, inviolabilidade da dignidade humana, democracia, estado de direito, igualdade, e defesa e promoção dos direitos humanos”.
A COMECE aponta a uma “fraternidade universal que não deixe ninguém de fora”, pedindo atenção particular para as pessoas mais necessitadas.
“Este momento obriga-nos a repensar e a reestruturar o atual modelo de globalização, a fim de garantir o respeito pelo ambiente, a abertura à vida, a atenção à família, a igualdade social, a dignidade dos trabalhadores e os direitos das gerações futuras”, indica a mensagem.
Os bispos apelam ainda a um reforço da ajuda humanitária e cooperação para o desenvolvimento, com “reorientação das despesas militares para os serviços de saúde e sociais”.
Os responsáveis esperam que o Pacto Europeu sobre migração e asilo apresentado pela Comissão Europeia possa ajudar a estabelecer uma “política europeia comum e justa em matéria de migração e asilo”.
“A solidariedade europeia deveria alargar-se urgentemente aos refugiados que vivem em condições desumanas nos campos de acolhimento e são seriamente ameaçados pelo vírus. Solidariedade para com os refugiados não significa apenas financiamento, mas também abertura das fronteiras da União Europeia de forma proporcional, por parte de cada Estado-Membro”, acrescenta a COMECE.

A mensagem recorda todos os que tiveram de passar por “grandes sacrifícios” durante esta crise pandémica, manifestando a solidariedade da Igreja Católica para “todas as iniciativas que promovam os verdadeiros valores da Europa”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+