Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Covid-19. Empresa de Cantanhede desenvolve tratamento promissor com células estaminais

13 nov, 2020 - 15:14 • Beatriz Lopes com Lusa

O diretor-geral da Crioestaminal explica que já há doses disponíveis e aprovados pelo Infarmed, que agora pode avaliar a que hospitais e doentes será submetido o tratamento. Experiências no estrangeiro têm tido resultados positivos.

A+ / A-

Veja também:


Sediada no Biocant Park, em Cantanhede, a empresa tem já pronto o primeiro lote do medicamento experimental (SLCTmsc02), abrindo caminho à sua utilização como tratamento experimental em contexto hospitalar.

"O medicamento experimental surge como uma solução terapêutica para tratar doentes com Covid-19 em situação grave. A utilização deste tipo de células está já a ser testada noutros países com resultados muito promissores”, justifica o diretor geral da Crioestaminal, André Gomes.

Este medicamento experimental é constituído por doses de 100 milhões de células estaminais mesenquimais (MSCs, na sigla inglesa) do tecido do cordão umbilical, tendo as primeiras doses sido submetidas aos controlos de qualidade que permitiram a validação de todo o processo e a qualificação do mesmo como terapia experimental.

Segundo André Gomes, "este medicamento experimental foi desenvolvido, em tempo recorde, na nova unidade de produção de medicamentos de terapia celular da Crioestaminal" e resultou do esforço da equipa de técnicos e investigadores da empresa ao longo dos últimos meses.

"Estamos, neste momento, em condições de produzir cerca de duas dezenas de doses por semana, com a possibilidade de expandir a produção, se necessário", garantiu.

Contactado pela Renascença, André Gomes explica ainda que “um dos problemas graves nos doentes Covid-19 são as pneumonias severas que são provocadas – em boa parte – pelo nosso próprio sistema imunitário que entra num estado de hiperatividade e estas células têm a capacidade de regular o sistema imunitário.”

“Logo no início de março, surgiram as primeiras publicações de grupos de investigação da China que começaram a usar estas células para tratar doentes com Covid-19 e com bons resultados. Com base nesses resultados, surgiram investigações noutros ponto do mundo, na Europa e nos Estados Unidos, onde decorrem vários ensaios clínicos e nós não podíamos deixar de dar o nosso contributo”, diz ainda, deixando claro que "resultados de estudos clínicos recentes revelaram uma reversão notável dos sintomas, com melhoria significativa da função pulmonar e de outros sintomas dos doentes em estado mais grave, com redução do tempo de internamento em cuidados intensivos".

No seu entender, "apesar de estes estudos terem sido conduzidos num número ainda restrito de doentes, os resultados favoráveis obtidos sugerem que as MSCs do tecido do cordão umbilical podem constituir uma nova estratégia terapêutica para o tratamento desta doença".

O medicamento "tem ainda outras aplicações na área da regulação do sistema imunitário, nomeadamente no tratamento de doentes transplantados com medula óssea que desenvolvam uma forma grave da doença do enxerto contra o hospedeiro", acrescenta.

Neste âmbito, o uso do SLCTmsc02 foi já autorizado pelo Infarmed para aplicação clínica no Instituto Português de Oncologia de Lisboa. "Todas as doses que estamos a produzir estão disponíveis para o Serviço Nacional de Saúde sem qualquer custo. Foi esse o nosso desígnio desde o início: tentar contribuir. Temos neste momento 12 doses disponíveis, temos a capacidade de produzir cerca de 20 doses por semana. No entanto, este medicamento agora tem de passar por uma fase de testes em contexto de ensaio clínico para poder ser utilizado de uma forma mais generalizada.”

Esses passos, acrescenta, são: “Ao nível hospitalar, os hospitais têm de pedir ao Infarmed a utilização experimental deste medicamento e o Infarmed, de hospital em hospital, avalia o pedido e autoriza a sua libertação para poder ser usado em doentes Covid-19 graves”.

Segundo a Crioestaminal, a inauguração da sua nova unidade de produção, este ano, no Biocant Park, "veio permitir não só a produção deste medicamento experimental, como outros para ensaios clínicos e terapias experimentais em diversas áreas da medicina, com a possibilidade de integração em consórcios internacionais na área das terapias celulares".

"O projeto, que representa um investimento de um milhão de euros e pretende ser referência na Europa, tem como objetivo a produção deste tipo de medicamentos e a exploração do potencial terapêutico das células estaminais, quer das células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical, em doenças autoimunes, quer das células do sangue do cordão umbilical na área da pediatria do desenvolvimento", acrescenta.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.285.160 mortos em mais de 52,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.181 pessoas dos 198.011 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+