Tempo
|
A+ / A-

Ministro anuncia menos crimes graves, mas não se compromete com subsídio de risco para forças de segurança

03 nov, 2020 - 17:12 • Liliana Monteiro

No debate setorial do Orçamento do Estado, Eduardo Cabrita sublinhou ainda a redução em 50% de área ardida e a queda em 50% no número de ocorrências em 2020.

A+ / A-

A criminalidade geral caiu 10% e a criminalidade grave diminuiu 11,5%, entre janeiro e setembro deste ano. Os dados foram revelados esta terça-feira pelo ministro da Administração Interna, ouvido na comissão de Orçamento e Finanças sobre o Orçamento do Estado no setor para o próximo ano.

Eduardo Cabrita sublinhou ainda a redução em 50% de área ardida e a queda em 50% no número de ocorrências em 2020.

“Tivemos o terceiro ano consecutivo sem vítimas civis nos incêndios rurais. Manifesto o respeito pelas seis vítimas que ao serviço dos portugueses faleceram no combate aos incêndios, entre bombeiros e pilotos”, afirmou o ministro.

“Em 2019, pela primeira vez em 10 anos, verificou-se um aumento da população em 580 mil estrangeiros e, até setembro deste ano, contávamos com 634 mil cidadãos estrangeiros registados”, acrescentou.

Eduardo Cabrita começou com um elogio “aos homens e mulheres da segurança e da proteção civil, um profundo reconhecimento numa área que nunca esteve confinada e em teletrabalho e nunca vai estar”.

O debate ficou marcado por uma troca de acusações entre o deputado Fernando Negrão, do PSD, e o ministro da Administração Interna por causa do subsídio de risco para as forças de segurança, que está congelado desde 2010.

O PSD quis saber se o executivo está pronto a retomar o pagamento e fez essa mesma questão três vezes consecutivas. Eduardo Cabrita contornou sempre a pergunta, garantindo que há negociações em curso com os sindicatos do sector sobre várias matérias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.