Tempo
|
A+ / A-

França

Detido um homem suspeito de ter contactado com o atacante de Nice

30 out, 2020 - 09:32 • Marta Grosso com Lusa

Autor do ataque é um tunisiano de 21 anos. Está no hospital, depois de ter sido baleado pela polícia. O detido terá estado com ele na véspera do ataque.

A+ / A-

As autoridades francesas detiveram um homem suspeito de ter contactado com o autor do ataque que, na quinta-feira, matou três pessoas numa igreja católica de Nice, em França, segundo fonte judicial.

De acordo com a fonte, o homem, com 47 anos, é suspeito de ter mantido contacto com o agressor e foi levado sob custódia policial na noite de quinta-feira.

O autor do ataque é um tunisiano de 21 anos que chegou a França no dia 9 de outubro, vindo da Itália. O detido é suspeito de ter estado em contacto com ele na véspera dos acontecimentos, segundo a fonte judicial, confirmando uma informação divulgada pelo jornal “Nice-Matin”.

Três pessoas morreram, uma delas degolada, no interior da basílica de Nossa Senhora de Nice, num ataque perpetrado por um homem armado com uma arma branca.

O agressor, que foi rapidamente detido pela polícia, foi ferido a tiro com gravidade e transportado para o hospital com vida.

Segundo fonte próxima do inquérito, o atacante gritou “Allah Akbar” (“Deus é grande”).

O ataque ocorreu duas semanas depois da decapitação de um professor na região parisiense, assassinado depois de ter mostrado caricaturas de Maomé numa aula sobre liberdade de expressão.

Numa homenagem ao professor, Samuel Paty, o Presidente francês, Emmanuel Macron, reiterou o compromisso de França com a liberdade de expressão, incluindo a publicação de caricaturas.

As declarações do chefe de Estado francês suscitaram contestação em vários países muçulmanos, incluindo manifestações e boicotes aos produtos franceses.

“Estamos em guerra”

A França está empenhada numa guerra contra o islamismo e são, por isso, previsíveis mais ataques em solo francês, avisa o ministro do Interior nesta sexta-feira.

"Estamos em uma guerra contra um inimigo que está tanto dentro quanto fora", afirmou Gérald Damarnin à rádio RTL.

"Precisamos entender que houve e haverá outros eventos, como esses ataques terríveis", alertou.


Na quinta-feira, ao visitar o local do ataque, o Presidente francês, Emmanuel Macron, garantiu: “não vamos ceder” aos ataques contra os valores franceses, “o seu gosto pela liberdade e liberdade de crença”.

Macron adiantou que França irá mobilizar mais militares para proteger locais importantes, como igrejas e escolas – isto, depois de ter sido elevado o nível de alerta terrorista.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.