Tempo
|
A+ / A-

Portugal ultrapassa pela primeira vez os 4 mil casos diários de Covid-19

29 out, 2020 - 13:47 • Redação

Dados avançados pela Direção-Geral da Saúde dão conta do maior número de mortes desde 24 de abril. Um total de 1.701 pessoas recuperaram da doença nas últimas 24 horas.

A+ / A-

Veja também:


Portugal ultrapassa pela primeira vez os 4 mil casos diários de Covid-19, indica o boletim epidemiológico avançado esta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Nas últimas 24 horas foram registadas 4.224 infeções pelo novo coronavírus e 33 mortes. É o maior número de óbitos desde 24 de abril.

Desde o início da pandemia foram diagnosticados 132.616 casos de Covid-19 e 2.428 óbitos.

Nos hospitais portugueses há um total de 1.834 pessoas internadas com a Covid-19, são mais 40 em relação ao dia anterior.

Nas unidades de cuidados intensivos (UCI) estão mais sete pacientes, num total de 269, um valor muito perto do máximo de 271 registado na primeira vaga da pandemia.


Portugal tem mais 2.490 casos ativos do novo coronavírus, num total de 54.486; e mais 1.701 pessoas recuperadas da doença.

Os dados da DGS indicam que, esta quinta-feira, há mais 1.969 pessoas em contactos de vigilância. Ao todo são mais de 64 mil.

Numa análise por faixas etárias, o maior aumento de casos aconteceu entre os 20 e 29 anos, com 745 infeções; seguido das pessoas entre os 40-49, com 705 casos. Houve 21 mortes em pessoas com mais de 80 anos, nove entre os 70 e os 79, duas entre os 60 e 69 anos e uma na faixa 50-59.

O Norte volta a registar o maior aumento diário de casos, com 2.474 infeções e 16 mortes. Este é o número mais elevados de novas infeções na região desde o início da pandemia.

Lisboa e Vale do Tejo, que já foi o epicentro nacional da pandemia, tem mais 1.102 infeções e 12 óbitos.

A região Centro regista mais 524 casos e cinco mortes, o Alentejo 50 casos, o Algarve 63 casos, a Madeira seis e os Açores cinco.

Para sábado está marcado um Conselho de Ministros extraordinário, em que o Governo poderá aprovar novas medidas para conter a pandemia de Covid-19.


A dois dias desse Conselho de Ministros extraordinário, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, defendeu que as novas restrições serão a nível territorial e mais circunscritas, num modelo que ainda terá que ser estabilizado.

Segundo o governante, "todos os países vão começar a adotar medidas de restrições ao nível territorial, mais circunscrito".

A Área Metropolitana do Porto (AMP) defende exclusividade de aulas online nas próximas três semanas para os alunos do secundário e do ensino superior, devido ao aumento do número de casos de Covid-19 na região Norte.

Em declarações à Renascença, o presidente da AMP, Eduardo Vitor Rodrigues, diz que a medida tem acolhimento junto dos autarcas e junto dos professores e diretores de escolas.

A região Norte poderá atingir 7.000 novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2 na próxima semana, alertam especialistas, afirmando existirem “vários concelhos” num “patamar semelhante” aos três do Tâmega e Sousa onde foram impostas medidas mais restritas.

A Câmara de Matosinhos decretou esta quarta-feira o encerramento dos estabelecimentos de comércio a retalho e de prestação de serviços às 21h00, dos restaurantes às 22h00 e o reforço do policiamento a partir deste fim de semana.

Covid-19 por regiões

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    29 out, 2020 aldeia 15:17
    A subir desta maneira,estamos á espera de quê? Não dá cabo da economia? não dá cabo dos serviços de saude? não dá cabo das pessoas?É tempo de medidas urgentes.

Destaques V+