Tempo
|
A+ / A-

França

Terrorismo em Nice. Homem com faca decapita uma mulher e mata mais duas pessoas

29 out, 2020 - 08:45 • Marta Grosso

Presidente da câmara fala em “ataque terrorista”. Polícia deteve o principal suspeito. Este é o segundo crime que envolve decapitação num curto espaço de tempo, em França.

A+ / A-
Ataques terroristas em França. Homem decapita mulher e mata mais duas pessoas
Ataques terroristas em França. Homem decapita mulher e mata mais duas pessoas

Veja também:


Três pessoas morreram nesta quinta-feira de manhã na cidade francesa de Nice, em França. Uma mulher foi decapitada e várias pessoas ficaram feridas depois de terem sido atacadas por um homem com uma faca.

O ataque – que o autarca, Christian Estrosi, diz ser terrorista – ocorreu na catedral de Nossa Senhora, pelas 9h00 (menos uma em Lisboa).


Um homem entrou na basílica e esfaqueou várias pessoas. Duas pessoas morreram no interior: uma mulher e o guardião da igreja. Uma segunda mulher conseguiu escapar, refugiando-se num bar das proximidades, mas não resistiu aos ferimentos.

As autoridades conseguiram interpelar e deter o suspeito em pouco tempo, pelas 9h10 (8h10), graças à intervenção de um morador local, que viu o que estava a acontecer e avisou a polícia municipal. Os agentes chegaram ao local, entraram na basílica e feriram o agressor, que foi levado ao hospital com vida.

A identidade do suspeito é ainda desconhecida.

O autarca e o ministro do Interior, Gerald Darmanin, pediu, entretanto, à população que evitasse a zona, uma vez que havia em curso uma operação policial.



Jornalistas da agência Reuters presentes no local relatam um cenário com polícias armados com armas automáticas e um cordão de segurança em redor da igreja (que fica na avenida Jean Medecin de Nice, a principal rua comercial da cidade). Ambulâncias e veículos de bombeiros dirigiram-se no local.

"Basta", disse o autarca Estrosi. "É hora de a França erradicar definitivamente o islamo-fascismo", defendeu.


O Presidente francês já marcou também uma reunião com o gabinete de crise para as 10h30 (9h30 em Lisboa), na qual participará o ministro do Interior.

O ataque ocorre numa altura em que França ainda recupera da decapitação do professor francês Samuel Paty, em Paris, no início deste mês. Um homem de origem tchetchena quis punir Paty por mostrar aos alunos caricaturas do Profeta Maomé numa aula de educação cívica.

Agora, em Nice, não são ainda claros os motivos do ataque ou se existe alguma conexão com o islamismo e as caricaturas da revista “Charlie Hebdo”, que nesta semana exibiu uma do Presidente da Turquia, Erdogan.


Desde o assassinato de Paty, as autoridades francesas – apoiadas por muitos cidadãos – reafirmaram o direito de exibir caricaturas e as imagens foram amplamente exibidas em marchas em solidariedade ao professor assassinado.

Estas demonstrações causaram uma onda de raiva em várias partes do mundo muçulmano, com alguns governos acusando o líder francês, Emmanuel Macron, de seguir uma agenda anti-islâmica.

Emmanuel Macron, por seu lado, prometeu combater o “separatismo islâmico”, que, diz, ameaça algumas comunidades muçulmanas em França.

Reações de condenação e apelos à união

O Conselho Francês de Adoração Muçulmana condenou "veementemente ataques terroristas". Numa publicação no Twitter, o conselho "condena veementemente o ataque terrorista ocorrido perto da Basílica de Notre-Dame em Nice".

“Em sinal de luto e solidariedade com as vítimas e seus entes queridos, exorto os muçulmanos da França a cancelarem todas as festividades do festival Mawlid”, que se realiza este ano nos dias 28 e 29 de outubro.


Ao nível da União Europeia, o presidente do Parlamento pede união contra “aqueles que espalham o ódio".

Através da rede social Twitter, David Sassoli pediu aos europeus que "se unam contra a violência", numa reação ao ataque em Nice (sudeste da França).


Da parte da Igreja Católica, o arcebispo da diocese de Reims e presidente da Conferência Episcopal francesa, classificou o ataque como um "ato indescritível".

"Os cristãos não devem se tornar um símbolo a ser abatido", afirmou.

No Twitter, D. Moulins-Beaufort escreveu: “Drama em Nice. A minha oração pelas vítimas e seus entes queridos”.

Também o Papa já reagiu. Francisco disse que "o ataque de hoje semeou a morte em um lugar de amor e consolação, como a casa do Senhor".

A classe política mundial também condenou, sobretudo através da rede social Twitter, o ataque desta manhã.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.