Tempo
|
A+ / A-

António Costa: Salvar a TAP e nem "um cêntimo público" para o Novo Banco

27 out, 2020 - 16:04 • Redação, com Lusa

Primeiro-ministro respondia ao líder do PSD, Rui Rio, na abertura do debate na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, garante que se o Orçamento do Estado para 2021 for aprovado não haverá um cêntimo para o Fundo de Resolução emprestar ao Novo Banco e garante que o Governo não vai deixar a TAP falir.

António Costa respondia ao líder do PSD, Rui Rio, na abertura do debate na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021).

O primeiro-ministro defende que só a aprovação da proposta de Orçamento garante que o Estado não emprestará “um cêntimo” ao Fundo de Resolução para Novo Banco no próximo ano.

No arranque do debate, o presidente do PSD, Rui Rio, optou por questionar Costa sobre dois temas não abordados pelo primeiro-ministro na sua intervenção inicial, a TAP e o Novo Banco, que considerou “nevrálgicos” para os próximos anos.

“Segundo o contrato de compra e venda do Novo Banco, este pode pedir ainda 900 milhões de euros ao Estado para o compensar as perdas. Este orçamento prevê apenas 477 milhões de euros”, afirmou.

Rui Rio questionou então o primeiro-ministro como agirá se o Novo Banco chegar a meio do ano e vier a pedir os 900 milhões de euros ainda previstos no contrato.

“Paga, mesmo antes de se concluir a auditoria do Tribunal de Contas que nos vai dizer se as perdas que pagámos eram justas ou fabricadas? E se sim como faz, já que já não tem dinheiro no Orçamento do Estado?”, perguntou.

António Costa remeteu a resposta para a decisão do parlamento sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2021.

“Se o OE para 2021 for aprovado, há duas garantias: o Estado não emprestará um cêntimo ao Fundo de Resolução. Segundo, o Fundo de Resolução não pode injetar mais do que esses 400 e tal milhões de euros no Novo Banco”, defendeu Costa.

Por outro lado, acrescentou, se o documento for rejeitado manter-se-á um regime de duodécimos do Orçamento do Estado de 2020, “quer permite que o Estado empreste ao fundo de resolução 800 milhões de euros”.

Na sua intervenção inicial, o primeiro-ministro acusou o Bloco de Esquerda, que vai votar contra o OE 2021 na generalidade, de se juntar à direita e deixou de fora o partido liderado por Catarina Martins quando referiu a coerência política ao longo dos últimos anos e o sentido de voto neste Orçamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Gaspar
    27 out, 2020 Leiria 20:05
    Alguém ouviu algum deputado falar em corta no Orçamento da Presidência da República duplica de 15,8 para 32,5 Milhões de Euros, Assembleia da República aumenta 47,6% passando para mais de 140 milhões, as entidades dependentes da A.R. a despesa triplica de 101,4% para 320,3 Milhões de Euros, o Conselho Superior da Magistratura duplica de 152,8 Milhões de Euros, para 309,3 Milhões de Euros,Tribunal Constitucional cujo orçamento passa de 8,9 para 18,8 Milhões de Euros, só aqui poupava-se muito dinheiro que poderia ser usado na Saúde tanto no combate ao COVID-19 como a outras doenças também ela bem graves, mas aqui como os ia afetar embatucaram.