Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Hospital Gaia/Espinho reforça urgências com tenda militar para triagem Covid-19

26 out, 2020 - 18:48 • Lusa

A esta nova estrutura de triagem estão alocados dois médicos e um assistente operacional. "Havendo necessidade, o número pode aumentar", diz unidade hospitalar.

A+ / A-

Veja também:


O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) instalou esta segunda-feira uma tenda militar no exterior do edifício para dar apoio ao serviço de urgência e permitir separar utentes Covid-19 dos restantes, revelou fonte daquela entidade.

Em resposta escrita à agência Lusa, o CHVNG/E admitiu que tem “sentido um acréscimo de utentes no serviço de urgência, com número de episódios diários superiores a 400”, embora “entre 30 e 40% dos episódios sejam triados com pulseira verde”.

Sobre a tenda militar hoje instalada, a mesma fonte apontou que “servirá para apoio ao serviço de urgência, na triagem respiratória, permitindo separar fisicamente os utentes suspeitos de Covid-19 dos restantes, sem qualquer sinal de gravidade”.

A esta nova estrutura de triagem estão alocados dois médicos e um assistente operacional.

“Havendo necessidade, o número poderá aumentar”, frisa o CHVNG/E.

Hoje, este centro hospitalar tem internados 56 doentes com o novo coronavírus, 13 dos quais em cuidados intensivos.

Já na sexta-feira o CHVNG/E tinha 36 doentes com teste positivo à Covid-19 em enfermaria e 13 em intensivos.

“Houve um aumento de doentes com necessidade de internamento. A maior repercussão sentida até à data foi a necessidade de alargar as camas de cuidados intensivos Covid-19, utilizando para tal a Unidade de Cuidados Pós-Anestésicos, o que permitiu de imediato passar de 12 para 21 camas”, descreveu o CHVNG/E.

Questionado pela agência Lusa, sobre se foi necessário selecionar doentes no que diz respeito a atividade e cirurgia programadas, o presidente do conselho de administração do CHVNG/E, Rui Guimarães disse que “há uma escolha em função da complexidade do ato cirúrgico”.

“Imagine-se que, um dia, determinada unidade está cheia. Nesse dia, já se muda o plano do bloco operatório para conseguir operar doentes que não precisam dessa unidade. Isso é o dia a dia de um hospital que agora está agravado pela Covid-19 que nos retira a flexibilidade de que precisamos”, disse o responsável.

Recusando a palavra “seleção”, Rui Guimarães sublinhou que “durante todo o ano e em todos os hospitais são adaptados os recursos à procura”.

Na resposta à Lusa, o CHVNG/E deu o exemplo de três cirurgias adiadas recentemente, cujos doentes “iriam necessitar de cuidados diferenciados no pós-cirúrgico”, mas explicou que “foram realizadas outras três que não necessitavam de cuidados pós anestésicos”.

“Esta escolha, obviamente, não poderá ser feita de modo aleatório e deve respeitar a complexidade do ato cirúrgico, a gravidade da patologia e as comorbilidades do doente”, acrescenta.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 2.343 em Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.