Tempo
|
A+ / A-

Chilenos votam para mudar a Constituição herdada de Pinochet

26 out, 2020 - 14:11

Muitos chilenos consideram que a Constituição garante a manutenção de desigualdades, dando controlo de setores como a saúde, habitação, educação e pensões ao setor privado.

A+ / A-

Quase oito em cada dez chilenos votou a favor da mudança da Constituição do país, num referendo realizado no domingo.

Com praticamente todos os votos contados, 79% dos eleitores manifestou-se a favor do abandono da atual Constituição, que foi herdada dos tempos da ditadura militar de Pinochet.

O voto segue-se a meses de protestos e instabilidade que chegaram a levar perto de um milhão de chilenos para as ruas em manifestações contra o que consideram ser uma desigualdade enraizada e que se deve em grande parte à Constituição. Os críticos apontam sobretudo para o facto de a Constituição do Chile garantir que a setores fundamentais como a saúde, a habitação, a educação e as pensões se mantenham sob controlo do setor privado.

Em simultâneo com a pergunta sobre se queriam uma nova Constituição, os eleitores foram interrogados sobre a forma como esta devia ser redigida. Um total de 79% disse que deve ser por uma assembleia constituinte inteiramente eleita. A alternativa era ter uma assembleia mista, com 50% dos lugares preenchidos por congressistas.

O resultado do referendo foi recebido com festejos nas ruas e foi saudado pelo Presidente Augusto Piñera, que reconheceu que a Constituição atual é “divisiva” e pediu que os chilenos “trabalhem juntos para que a nova Constituição seja um garante de unidade, estabilidade e futuro”.

Piñera elogiou ainda a forma como o referendo decorreu. “Hoje venceram os cidadãos e a democracia, hoje a unidade prevaleceu sobre a divisão e a paz sobre a violência. E isto é um triunfo para os chilenos que amam a democracia, a unidade e a paz, sem dúvidas”.

Uma vez eleita, a assembleia constituinte terá até dez meses para redigir um novo documento, que será depois posta à consideração do povo noutro referendo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.