Tempo
|
A+ / A-

Bielorrússia. Greve geral contra Lukashenko começa tímida mas já com detenções

26 out, 2020 - 11:20 • Lusa

Oposição quer que o presidente se demita, liberte todos os presos políticos e acabe com a repressão policial.

A+ / A-

A greve geral anunciada no domingo pela líder da oposição bielorrussa no exílio, Svetlana Tikhanovskaya, para exigir a saída do Presidente, Alexander Lukashenko, começou hoje com protestos tímidos e detenções em todo o país.

“O prazo para cumprir as exigências do ultimato popular expirou. Hoje começa a greve popular, o novo passo dos bielorrussos rumo à liberdade, ao fim da violência e a novas eleições”, anunciou Tikhanovskaya, na sua conta da aplicação de mensagens Telegram.

O prazo do ultimato dado pela oposição ao Presidente da Bielorrússia para este se demitir, libertar todos os presos políticos e travar a repressão policial terminou no domingo à noite, mas Lukashenko ignorou todas as exigências.

No domingo, o regime impôs a já habitual repressão policial das manifestações de domingo – detendo mais de 500 pessoas, segundo o Ministério do Interior -, pelo que a líder da oposição anunciou o início de uma greve nacional a partir de hoje de manhã.

Svetlana Tikhanovskaya, que foi a principal rival de Lukashenko nas eleições presidenciais de 09 de agosto, disse hoje que os bielorrussos sabem que o objetivo desta segunda-feira é mostrar que “ninguém vai trabalhar para o regime”.

Funcionários de fábricas e empresas estatais, professores e alunos estão nas ruas a protestar desde a primeira hora do dia, garantiu.

A porta-voz do governo, Alexandra Isáeva, afirmou, no entanto, numa mensagem divulgada no Facebook, que “todas as empresas do setor real da economia estão a funcionar normalmente” e que “as produções não pararam, como alguns canais do Telegram quiseram fazer acreditar”.

De acordo com o jornal independente Tut.by, é possível ver pequenos grupos de grevistas em frente a algumas fábricas, como a Belkommunmash, a Grodno Azot, a Belarusian Automotive Factory, a companhia telefónica MTS ou a Tractor Factory.

Estudantes de várias universidades também saíram à rua em apoio à greve, tendo-se reunido sobretudo em frente à Universidade Estatal da Bielorrússia, à Universidade Estatal de Linguística de Minsk e à Universidade Técnica Nacional da Bielorrússia.

Os manifestantes formaram correntes em várias ruas da capital, empunhando cartazes e bandeiras vermelhas e brancas, um símbolo da oposição bielorrussa.

A polícia iniciou imediatamente as detenções dos manifestantes, segundo denunciou a organização bielorrussa de direitos humanos Vesná no Telegram, referindo registar pelo menos 106 detidos, a grande maioria em Minsk e Grodno, embora também haja detenções em Brest, Lida e Novopoltsk.

A oposição bielorrussa exige a saída de Lukashenko desde as contestadas eleições presidenciais de 9 de agosto, que atribuíram ao líder bielorrusso, no poder há 26 anos, um sexto mandato.

As forças opositoras consideraram as eleições fraudulentas e desde então centenas de milhares de bielorrussos têm saído às ruas em protesto, manifestações essas que têm sido marcadas por uma forte e violenta repressão pelas forças de segurança da Bielorrússia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.