Tempo
|
A+ / A-

Ni Amorim culpa DGS por problemas com público na F1. “Reduziram a lotação muito em cima da hora”

26 out, 2020 - 18:56 • Pedro Castro Alves

O presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting quer Portugal integrado no campeonato de Fórmula 1 e vai “convocar uma reunião para apresentar o projeto ao Governo”.

A+ / A-

Ni Amorim, presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting, em entrevista a Bola Branca, responsabiliza a Direção-Geral da Saúde pelos problemas com o público no Autódromo Internacional do Algarve. “Obrigou a organização do circuito a uma logística muito complicada”.

“Não sei como está o Autódromo [Internacional do Algarve] a gerir a situação [do aparente aglomerado de adeptos nas bancadas], mas isso foi provocado porque havia uma perspetiva de lotação e essa lotação foi reduzida muito em cima da hora”, diz o presidente da FPAK.

Amorim deixa claro, à Renascença, que a Federação pretende que o Grande Prémio de Portugal “integre o calendário do Campeonato do Mundo de F1”, acrescentando que “para isso tem de ter o apoio do Governo. Adianta que irá convocar uma reunião com as entidades políticas competentes para apresentar o projeto para que “o Estado diga se tem interesse ou não”, admitindo saber que “a Fórmula 1 não é um produto barato”.

Do lado da Federação Internacional de Automobilismo, Ni Amorim afirma que “a FIA ficou com uma boa impressão” do ponto de vista desportivo, uma vez que “as infraestruturas são boas, o traçado é bom” e “o feedback dos pilotos foi positivo”.

“Eu conheço os circuitos na Europa onde passa a F1 e posso dizer que o Autódromo do Algarve está num dos 5 melhores, sem dúvida nenhuma”, diz em Bola Branca.

Apesar das boas indicações da FIA, Ni Amorim não esconde que existem aspetos a melhorar, afirmando que “foi muito difícil” por “não termos o hábito de organizar um Grande Prémio destes há mais de 20 anos”. O presidente da FPAK fala numa “aprendizagem muito grande, se voltar a haver [GP Portugal] não se vão repetir os mesmos erros”.

Ainda que não sendo da sua responsabilidade, Ni Amorim considera que o Moto GP “vai ser mais fácil de organizar depois de ter passado pela Fórmula 1”, uma vez que “há toda uma máquina que está melhor estruturada”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    27 out, 2020 Trofa 08:53
    apenas se confirmou que não temos estrutura para realizar a F1