Tempo
|
A+ / A-

Açores

Projeção. PS vence, mas pode perder maioria absoluta nos Açores

25 out, 2020 - 20:00

Os açorianos foram às urnas este domingo para escolher a composição da Assembleia regional.

A+ / A-

O PS deve ser o vencedor das eleições regionais dos Açores, mas não deve conseguir chegar à maioria absoluta.

O PS consegue entre 37% e 41%, segundo a projeção da Universidade Católica para a RTP, o que se traduz em 26 a 30 lugares na Assembleia Regional, enquanto que o PSD, que fica em segundo lugar com 32% a 36%, deve ficar com entre 19 e 22 lugares.

As sondagens dão um empate para o terceiro lugar entre o CDS e o Chega, ambos com entre 3% e 6% das intenções de voto, o que corresponde a entre 1 e três mandatos.

O Bloco de Esquerda chega no máximo aos 5%, com um mínimo na projeção de 2%, podendo eleger 1 a 2 deputados. Segue-se o PAN, entre 2% e 3%, podendo eleger um deputado e depois a CDU, o PPM e a Iniciativa Liberal, todos com 1% a 2% dos votos, sendo que no primeiro caso a CDU pode chegar aos dois deputados mas os restantes devem eleger apenas 1, se tanto.

A abstenção nestas eleições supera os 50%, com a projeção a indicar que entre 52 e 58% dos eleitores acabaram por não ir votar, o que ainda assim representa uma melhoria em relação a 2016, quando a abstenção chegou aos 59%. O Presidente da República já deu os parabéns aos açorianos pela participação, numa nota publicada no site da Presidência. "O Presidente da República saúda os eleitores dos Açores pela atitude cívica neste período difícil de pandemia, com uma taxa de participação superior ao do anterior escrutínio".

Caso se confirmem as projeções, o PS deverá perder a maioria absoluta, embora a margem de erro permita que a mantenha e, caso obtenha o máximo de deputados previstos pelas sondagens à boca das urnas, pode mesmo igualar o número de deputados eleitos em 2016. Já o PSD precisaria de conseguir apenas o mínimo previsto para conseguir o mesmo número de deputados da última legislatura, sendo expetável que suba.

O CDS deve perder deputados, uma vez que tinha quatro na anterior legislatura. O Chega candidata-se pela primeira vez a estas eleições, mas pode chegar aos três deputados, na melhor das possibilidades.

De acordo com os resultados das eleições, o representante da República nomeia depois o presidente do Governo Regional, que, por sua vez, propõe os membros do executivo.

Nas anteriores legislativas açorianas, em 2016, o PS venceu com 46,4% dos votos, o que se traduziu em 30 mandatos no parlamento regional, contra 30,89% do segundo partido mais votado, o PSD, com 19 mandatos, e 7,1% do CDS-PP (quatro mandatos).

O BE, com 3,6%, obteve dois mandatos, a coligação PCP/PEV, com 2,6%, um, e o PPM, com 0,93% dos votos, também um.

O PS governa a região há 24 anos, tendo sido antecedido pelo PSD, que liderou o executivo regional entre 1976 e 1996.

Vasco Cordeiro, líder do PS/Açores e presidente do Governo Regional desde as legislativas regionais de 2012, após a saída de Carlos César, que esteve 16 anos no poder, apresenta-se de novo a votos para tentar um terceiro e último mandato como chefe do executivo.

[Notícia publicada às 22h45]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.