Tempo
|
A+ / A-

D. Manuel Clemente

Chumbo do referendo à eutanásia é "mensagem errada do Parlamento à sociedade"

23 out, 2020 - 21:53 • Redação, com Ecclesia

Cardeal Patriarca de Lisboa lamenta a oportunidade perdida para "uma reflexão e uma ponderação mais forte sobre o assunto, que é grave". D. Manuel Clemente. Veto presidencial será a última instância. "Agora é altura da consciência", afirma. Conferência Episcopal Portuguesa diz que é "o pior momento" para rejeitar o referendo sobre a eutanásia.

A+ / A-

O Cardeal Patriarca de Lisboa disse esta sexta-feira que a rejeição do referendo sobre a eutanásia no Parlamento é "uma mensagem errada à sociedade portuguesa" por parte dos deputados.

D. Manuel Clemente acredita que o referendo seria, “basicamente, uma oportunidade para reflexão e ponderação mais forte, mais serena sobre o assunto", porque, segundo diz, "a legalização da eutanásia não procura acompanhar as pessoas onde elas mais precisam de ser acompanhadas”.

“Tudo aquilo que diz respeito à vida, da conceção à morte natural, é básico para a nossa convivência social”, acrescentou, sublinhando que, se o Presidente da República é a “última instância” em termos de decisão sobre a legislação em causa, a nível da sociedade “agora é a altura da consciência”.


Bispos avisam: rejeição de referendo acontece no "pior momento"

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) lamenta a rejeição da iniciativa popular de referendo sobre a eutanásia, lembrando, em comunicado, que esta decisão, "na prática, aprova a lei que despenaliza a eutanásia, embora o processo legislativo ainda não esteja finalizado”,

Na nota, os bispos portugueses afirmam que este foi "o pior momento para se tomar esta decisão, atendendo à gravíssima situação de pandemia que a todos atinge de modo tão dramático e, de modo particular, os mais idosos”.

Diante da pandemia, a CEP sublinha que, "a resposta não pode ser ajudar a morrer" mas, antes "ajudar a encontrar razões e meios para viver".

Invocando a Constituição, a CEP insiste que “o direito à vida humana é inviolável; consequentemente, não é referendável”, mas admite que a consulta popular seria o último caminho para auscultar a sociedade e dar voz àqueles que não concordam com legalização da eutanásia.

Lamentamos que a maioria dos deputados da Nação não queira auscultar o povo, impossibilitando um debate mais amplo e uma reflexão mais aprofundada sobre tema tão essencial para cada cidadão e para a sociedade no seu todo”, pode ler-se.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    24 out, 2020 Viseu 10:53
    Eutanasiar é matar. Durante a última campanha eleitoral, os maiores partidos não falaram da eutanásia: morte de seres humanos de saúde muito débil. Foi uma grande traição ao povo e à sociedade portuguesa. Queremos um referendo para que todos os portugueses se manifestem, porque com a eutanásia e o suicídio assistido, não se elimina o sofrimento, elimina-se a vida da pessoa que sofre.