Tempo
|
A+ / A-

Relógios atrasam uma hora na madrugada de domingo

23 out, 2020 - 16:35

Passa a vigorar a hora de inverno.

A+ / A-

Os relógios vão atrasar 60 minutos na madrugada do próximo domingo em Portugal para dar início ao horário de inverno.

Em Portugal Continental e na Região Autónoma da Madeira, os relógios deverão ser atrasados uma hora quando for 2h00 de domingo, passando a ser 1h00.

Na Região Autónoma dos Açores, a mudança será feita às 1h00, passando para a 0h00.

A hora legal voltará depois a mudar a 28 de março 2021, para o regime de verão.

O atual regime de mudança da hora é regulado por uma diretiva (lei comunitária) de 2000, que prevê que todos os anos os relógios sejam, respetivamente, adiantados e atrasados uma hora no último domingo de março e no último domingo de outubro, marcando o início e o fim da hora de verão.

Mudança da hora devia acabar em 2021

Em Agosto de 2018, a Comissão Europeia anunciou que iria avançar com a proposta de pôr fim à mudança de hora no espaço da União.

A decisão era justificada com os resultados de um inquérito em que mais de 80% das respostas eram pela manutenção do horário ao longo de todo o ano, sem mudanças. Cerca de 4,6 milhões de europeus responderam a este que foi o maior inquérito realizado pela Comissão Europeia.

O Parlamento Europeu pronunciou-se em Março de 2019 a favor da proposta de fim da mudança de hora bianual. Para o efeito, foi sujeito a votação um relatório da comissão parlamentar de Transportes que recebeu 410 votos a favor, 192 contra e 51 abstenções,

A mudança foi apontada para 2021 e era suposto que o parlamento de Estrasburgo tivesse iniciado os procedimentos para aplicação da nova norma nos Estados-membros em março ou abril deste ano. Contuo, o processo foi suspenso por causa da pandemia da Covid-19.

Na Alemanha, há mais de um século...

A medida de proceder a alterações no horário foi tomada pela primeira vez na Alemanha, há mais de século - em 1916 - por razões que se prendem com a Guerra Mundial então em curso.

O consumo de energia foi direccionado para o esforço de guerra e a população começou a sentir dificuldades para garantir o aquecimento e iluminação das habitações, pois era preciso poupar carvão e velas.

Os especialistas debruçaram-se, então, sobre a possibilidade de se mudar a hora, de modo a conseguir mais luz natural e temperaturas mais elevadas. A ideia já tinha sido estudada no passado, por exemplo, por Benjamin Franklin.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.