Tempo
|
A+ / A-

Quase mil cancros da mama, colo do útero e colorretal ficaram por diagnosticar

23 out, 2020 - 11:44 • Lusa

A estimativa é da Liga Portuguesa Contra o Cancro, que apontas "falhas na operacionalização" dos cuidados de saúde.

A+ / A-

Quase mil cancros da mama, do colo do útero e colorretal não foram diagnosticados nos últimos oito meses devido à Covid-19, estima a Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC), que apontas "falhas na operacionalização" dos cuidados de saúde.

O presidente da LPCC disse que os rastreios do cancro da mama baixaram e os do colo do útero e colorretal "estão praticamente parados".

Ainda de acordo com Vítor Rodrigues, há "falhas na operacionalização" dos cuidados de saúde, com as consultas nos centros de saúde a não serem feitas na presença de um médico, o que permitiria dar a primeira referenciação da doença com a prescrição de um exame de diagnóstico perante um sintoma suspeito e após a observação do utente.

"Se o diagnóstico está a falhar, porque não há requisição de exames, vai haver impacto a prazo", afirmou, assinalando que o cancro é tanto mais tratável quanto mais precocemente for diagnosticado.

Em comunicado, a LPCC avisa que "o combate ao cancro deve ser uma prioridade contínua, que não pode ficar em segundo plano face à pandemia".

"Não estão a resolver-se problemas concretos, depois acumulam-se todos", ironizou Vítor Rodrigues, exemplificando que, não sendo possível rastrear num dia 100 pessoas, rastreiam-se 50.

E se as consultas médicas não podem ser dadas num centro de saúde, porque está fechado devido a um surto, deve ser providenciado um espaço alternativo, como um pavilhão municipal, sugeriu o dirigente da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Em Portugal, morreram 2.245 pessoas dos 109.541 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.