Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Ministro Santos Silva rejeita encerrar fronteiras

23 out, 2020 - 15:19 • Lusa

A situação pandémica tem vindo a agravar-se em espanha e o presidente do Governo admitiu, esta sexta-feira, que o número real de casos de infeção pelo novo coronavírus no país seja o triplo dos dados oficiais, ou seja, em vez de rondar um milhão serão cerca de três milhões.

A+ / A-

O ministro do Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, rejeita a hipótese de voltar a encerrar as fronteiras devido ao agravamento da pandemia de covid-19.

Questionado, esta sexta-feira, pelos jornalistas, à margem de um evento de comemoração dos 75 anos das Nações Unidas, sobre se equaciona fechar as fronteiras tendo em conta o aumento de casos na Europa, Santos Silva disse “não”.

Já há duas semanas os chefes dos Governos de Portugal e Espanha afastaram essa possibilidade, quando questionados pelos jornalistas à margem da 31.ª Cimeira Lusa-Espanhola, que se realizou na Guarda.

No entanto, a situação pandémica tem vindo a agravar-se e já hoje o presidente do Governo Espanhol admitiu que o número real de casos de infeção pelo novo coronavírus no país seja o triplo dos dados oficiais, ou seja, em vez de rondar um milhão serão cerca de três milhões.

Numa declaração institucional, Pedro Sánchez considerou que a evolução da pandemia em Espanha é "grave" e avisou que os próximos meses “vão ser muito duros".

O novo coronavírus já provocou quase 35 mil mortes em Espanha, desde o início da pandemia.

O número de infetados em Portugal ronda os 110 mil e o número de mortos ultrapassa os 2.200, segundo os dados divulgados pela Direção-Geral da Saúde.

A nível mundial, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 41,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.