Tempo
|
A+ / A-

​Cancro digestivo quase sem exames de diagnóstico há 7 meses

23 out, 2020 - 13:43 • Liliana Monteiro

Em 2019 morreram 10 mil portugueses com cancro digestivo. Por ano, diagnosticam-se 50 mil novos casos. Europacolon pede reabertura de centros de saúde e o regresso dos diagnósticos.

A+ / A-

Por ano há uma média de 50 mil novos diagnósticos de cancro, mas com a pandemia há sete meses que não se faz, praticamente, despiste de sintomas adversos no estômago e intestino.

Em declarações à Renascença, Vítor Neves, presidente da Europacolon - Apoio ao Doente com Cancro Digestivo, dá conta de que “só no âmbito do cancro digestivo, em 2019, morreram 10 mil pessoas. As doenças estão lá e há doentes novos todos os dias. Por ano havia cerca de 50 mil novos diagnósticos e durante estes meses muito pouco foi feito”.

Com centros de saúde ainda sem atividade normalizada, os diagnósticos primários e exames complementares não estão a ser feitos. “Os centros de saúde são os locais onde eram analisadas as sintomatologias e feitas referenciações para hospitais centrais para diagnóstico e iniciação de terapêutica. Agora estão dedicados em exclusivo à pandemia. Os exames de diagnóstico estão agora a ser feitos nas urgências”, refere Vítor Neves.

Lamenta que se esteja a esquecer quem não tem covid, mas quem também está doente e precisa de assistência médica: “as doenças não covid-19 não desapareceram, não deixaram de existir e merecem tratamento e acompanhamento regular. Os exames de diagnóstico já tinham grande tempo de espera e agora uma colonoscopia demora 9 a 12 meses, o que é incompatível com um diagnostico normal”.

Vítor Neves considera mesmo que se está a negar vida a muitos doentes. “Em oncologia, 50% dos doentes têm grande probabilidade de se curar, mas com a premissa de que a doença tem de ser detetada cedo para terem a melhor terapêutica e mais adequada. Não é isso que está a acontecer! As curvas da mortalidade estão a aumentar e vamos chegar ao tempo em que as doenças vão ser encontradas dois a três anos depois do que deviam ter sido”.

Os números do Instituto Nacional de Estatística (INE) são claros: “entre março e setembro de 2020, fez-se uma média dos últimos cinco anos, e há um acréscimo de 7.144 mortos. Dois mil podem ter sido covid-19, mas há uma curva grande de mortalidade relacionada com a falta de cuidados que a população tem que ter”, sublinha.

A Europacolon considera, por isso, urgente que as entidades se articulem para dar resposta aos doentes com cancro.

“Uma estrutura definida pelo Ministério da Saúde e Segurança Social. Há muita gente internada e que não está em tratamento e precisa de apoio por parte do Ministério da Segurança Social. As ordens profissionais, equipamentos sociais, equipamentos privados e associações de doentes têm de criar estruturas que se organizem. Nós não vemos qualquer reação do Ministério da Saúde sobre este tema”, conclui Vítor Neves.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.