Tempo
|
A+ / A-

Covid-19: Estudo admite meio milhão de mortes até fevereiro nos Estados Unidos

23 out, 2020 - 16:33 • Redação com Reuters

Cerca de 130 mil vidas podem ser salvas se a utilização de máscara se tornar generalizada entre a população, indicam os modelos elaborados pelos investigadores da Universidade de Washington.

A+ / A-

Veja também:


Mais de meio milhão de pessoas podem morrer de Covid-19 nos Estados Unidos até ao final de fevereiro de 2021. O cenário é avançado por investigadores Instituto de Avaliação e Métricas de Saúde da Universidade de Washington.

Cerca de 130 mil vidas podem ser salvas se a utilização de máscara se tornar generalizada entre a população, indicam as estimativas deste estudo.

Com poucos tratamentos contra a Covid-19 e sem uma vacina ainda disponível, os Estados Unidos vão enfrentar “um desafio de saúde pública continuo durante o próximo Inverno”, alertam os cientistas.


Estados mais populosos, como a Califórnia, o Texas ou a Florida, terão de lidar com elevados números de casos e mortes, que vão levar os hospitais ao limite dos seus recursos, conclui o estudo da Universidade de Washington.

De acordo com os dados desta sexta-feira, avançados pela Universidade Jonh Hopckins, os Estados Unidos registam mais de 223 mil mortes e quase 8,5 de casos desde a chegada da pandemia.

O país assiste a um novo recrudescimento do aumento do número de casos diários de Covid-19 e o problema tem dominado a campanha para as eleições presidenciais de 3 de novembro.

O Presidente Donald Trump, que já esteve infetado com o novo coronavírus e foi submetido a tratamentos experimentais, tem sido acusado pelo adversário democrata Joe Biden de incompetência na luta contra a Covid-19.

[notícia corrigida - uso generalizado de máscara permitirá salvar 130 mil vidas e não 130]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.