Tempo
|
Euranet
Casa Comum
A+ / A-
Arquivo
Casa Comum (21/10/2020)
Casa Comum (21/10/2020)

CASA COMUM

Brexit: afinal há acordo ou não?

21 out, 2020 • Pedro Caeiro


Arrastam-se as negociações entre o Reino Unido e a União Europeia. Boris Johnson quer uma mudança de atitude por parte de Bruxelas, mas a UE não parece disposta a ceder.

Importante nesta altura é que “o acordo de saída ocorra e em termos que respeitem os direitos fundamentais dos cidadãos e empresas que operam no Reino Unido ou que são de lá e operam na UE. Mas tem de haver cumprimento dos termos da saída do Reino Unido”, diz José Luís Carneiro.

Todos os Estados têm conseguido negociar “a uma só voz”, reconhece o eurodeputado socialista que acha essa postura positiva.

Paulo Rangel mostra-se pessimista e acha que “tudo se encaminha para que não haja acordo” entre os dois blocos quanto à relação futura. O eurodeputado do PSD diz que tem havido violações do acordo de saída, com alterações unilaterais por parte de Johnson, que foi quem fez o acordo, nos termos que definiu na altura.

A fronteira da Irlanda do Norte com a Irlanda, se for para a frente a lei que foi aprovada em Westminster e que viola o acordo de saída “significa que vai ter de ser feita uma fronteira física”. Rangel lembra que não só todos os ex-Primeiros-ministros britânicos foram taxativos a condenar esta orientação, mas até a Conferência Episcopal Anglicana (que representa de alguma maneira a própria sensibilidade dos protestantes anglicanos da Irlanda do Norte) veio condenar gravemente o que acham que pode pôr em causa os acordos de paz da Sexta-feira Santa.

Depois há a questão das pescas, muito importantes para França, Espanha e Holanda, que pescam em águas supervisionadas pelos ingleses. E a determinação do que se vai fazer ao nível das fronteiras, porque “já se antevêem filas intermináveis dos dois lados da fronteira”, avisa Rangel.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.