Tempo
|
A+ / A-

Dinamarca

Tentou fugir da prisão o inventor que matou jornalista sueca em submarino

21 out, 2020 - 07:40 • Marta Grosso

A polícia conseguiu apanhar Peter Madsen a 400 metros da prisão.

A+ / A-

Peter Madsen, o homem que mutilou e assassinou a jornalista sueca Kim Wall, tentou fugir da prisão onde se encontra a cumprir pena.

A tentativa de fuga ocorreu na terça-feira de manhã e não foi bem sucedida, uma vez que o homicida foi apanhado a 400 metros do estabelecimento prisional de Herstedvester.

Peter Madsen estava a usar um "cinto de aparência suspeita" que agora será "investigado em detalhes", disse a Polícia Ocidental de Copenhaga à CNN.

"A área foi isolada e os especialistas minas e armadilhas do Exército foram chamados para avaliar” o objeto, acrescenta.


A Euronews cita um jornal local para acrescentar que Madsen terá feito um refém no interior da prisão com um objeto semelhante a uma pistola e terá depois utilizado uma carrinha para fugir.

Uma testemunha citada pelo canal de notícias europeu conta que viu uma carrinha branca a dirigir-se em direção a si e à sua namorada e que, dez segundos depois, o veículo estava cercado pela polícia, com várias armas apontadas. Ao casal foi dito para saírem do local.

O momento da detenção é revelado na imprensa dinamarquesa com algumas imagens. É possível ver dois atiradores deitados no chão, com as armas apontadas para o fugitivo, enquanto ele se sentava no chão, com as costas contra uma cerca viva.


Peter Madsen foi condenado em abril de 2018, com 47 anos, a prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional. Foi considerado culpado (e assumiu-se como tal) pela morte da jornalista sueca Kim Wall, de 30 anos, a bordo do seu submarino.

Madsen, inventor dinamarquês, torturou e abusou sexualmente da jornalista antes de a matar. Foi formalmente acusado de homicídio premeditado, profanação de cadáver e agressão sexual.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.