Tempo
|
Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Covid-19 no Norte - 21/10/2020
Covid-19 no Norte - 21/10/2020

​J. Lucas Pires

Covid-19 no Norte. Mais transportes públicos requer que o “Estado gaste dinheiro”

21 out, 2020 • Miguel Coelho , Cristina Nascimento


Já Henrique Raposo diz que “não podemos lançar uma bomba atómica sobre o país inteiro”, rejeitando a ideia de novo confinamento geral.

O comentador da Renascença Jacinto Lucas Pires defende que o combate ao alastramento da Covid-19 no Norte requer que haja mais transportes públicos, uma medida que vai implicar que o Estado “realmente gaste dinheiro”.

“Desencontrar os horários não sei se está a ser feito”, diz o escritor, assim como uma maior oferta de transportes públicos.

“Isso implica dinheiro, não só que o Estado recomende, mas realmente gaste dinheiro ou invista na saúde, se quisermos, na prevenção, por essa via, pagando a motoristas, pagando às empresas de transportes, e isso é preciso vontade política“, argumenta.

Na mesma linha, Henrique Raposo considera que “as empresas de transporte não se adaptaram” e lembra a necessidade de intervenções cada vez mais locais.

“Não podemos lançar uma bomba atómica sobre o país inteiro”, defende, rejeitando a ideia de novo confinamento geral.

Henrique Raposo defende um olhar “concelho a concelho, freguesia a freguesia e atuar nesse sentido”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Fernanda Carvalho
    21 out, 2020 Mafra 10:25
    O problema não é só no norte, na zona de Lisboa também existe o mesmo problema, especialmente porque as empresas começaram a contar a capacidade máxima do autocarro com lugares sentados e em pé. Podendo o autocarro realizar um serviço com os lugares sentados todos preenchidos o que quer dizer que pode levar menos pessoas do que a lei permite. (Os 2/3 de lugares permitidos podem exceder o número de lugares sentados que são permitidos em situações normais, especialmente os autocarros que vão pela autoestrada que por lei não podem levar pessoas em pé).