Tempo
|
A+ / A-

Depressão Bárbara. Proteção Civil regista 654 ocorrências, nenhuma "particularmente grave"

20 out, 2020 - 12:33 • Cristina Nascimento

Período de maior risco para esta terça-feira é entre as 12h00 e as 18h00.

A+ / A-

A depressão Barbara cujos efeitos se fazem sentir desde segunda-feira já deu origem a 654 ocorrências registadas pela Proteção Civil, sobretudo nas zonas urbanas a norte do rio Tejo. O balanço é feito pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que está a esta hora na sede da Proteção Civil, em Carnaxide.

O ministro garante que as operações obrigaram ao envolvimento de 2.200 operacionais e que, até agora, não se registaram ocorrência "particularmente graves".

Os oito distritos estão sob aviso vermelho devido à previsão de chuva por vezes forte e persistente e ocasionalmente acompanhada de trovoada e possibilidade de ocorrência de fenómenos extremos de vento.

Os distritos de Évora, Faro e Beja vão juntar-se aos de Setúbal, Lisboa, Santarém, Castelo Branco e Portalegre que vão estar sob aviso vermelho entre as 12h00 e as 18h00.

A Proteção Civil, diz o ministro, acompanha estas indicação do Instituto Português do Mar e Atmosfera e coloca o dispositivo em alerta laranja em 11 distritos do continente. O estado de alerta laranja, ativado quando o grau de risco é elevado e é expectável uma situação de perigo com condições para a ocorrência de fenómenos invulgares que podem causar danos a pessoas e bens, colocando em causa a sua segurança, vai estar em vigor até às 23h59 de quarta-feira.

O mau tempo começou a fazer-se sentir sobretudo a partir do fim de tarde de segunda-feira. O governante revelou que foram enviados sete milhões de SMS para os telemóveis que nessa altura estavam registados com estando nos oito distritos mais afetados.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.