Tempo
|
A+ / A-

EUA

Biden e Trump com microfones desligados no último frente a frente antes das eleições

20 out, 2020 - 09:53 • Sofia Freitas Moreira com agências

As regras do jogo mudaram. O último debate para as presidenciais norte-americanas vai silenciar o microfone do candidato que não estiver a responder a perguntas. A mudança surge depois do caos de interrupções que marcou o primeiro frente a frente, no mês passado.

A+ / A-

Os microfones de Donald Trump e Joe Biden vão estar desligados durante parte do próximo debate para as presidenciais norte-americanas, marcado para quinta-feira.

O objetivo da decisão tomada pela Comissão de Debates Presidenciais (CDP), na segunda-feira, é evitar interrupções enquanto os candidatos respondem a perguntas.

O segundo debate, à semelhança dos moldes adotados no primeiro, no mês passado, terá a duração de 90 minutos. A discussão será moderada pela jornalista da CNN, Kristen Welker, e estará dividida em segmentos de 15 minutos.

Em cada um dos segmentos, sobre os variados tópicos selecionados, cada candidato tem dois minutos para responder a uma questão ou comentar o assunto, sem interrupções, antes de debaterem abertamente. Durante estes dois minutos iniciais, o microfone do outro candidato vai estar silenciado.

A CDP disse, em nota, que nenhuma das equipas dos candidatos está completamente satisfeita com as medidas anunciadas. "Estamos confiantes de que essas ações alcançam o equilíbrio certo e que são do interesse do povo americano, para quem estes debates são feitos”.

Trump e Biden no primeiro frente a frente: o essencial do caótico debate
Recorde os principais momentos do primeiro debate. "Trump e Biden no primeiro frente a frente: o essencial do caótico debate"

Trump fala em “injustiça”

Questionado pelos jornalistas sobre a mudança, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que ia participar, mas que achava “muito injusto que tenham mudado os tópicos e que tenhamos, outra vez, um moderador que é totalmente tendencioso”.

O diretor de comunicação da campanha de Trump, Tim Murtaugh, acusou a Comissão de favorecer o democrata Joe Biden, afirmando que esta está a "tentar conseguir vantagem para o seu candidato favorito".

Bill Stepien, gestor da campanha republicana, escreveu mesmo uma carta à CDP, que partilhou no Twitter, onde considera “totalmente inaceitável que alguém tenha esse poder” e que “a decisão de prosseguir com esta mudança equivale a entregar ainda mais controlo editorial à comissão do debate”.

A campanha de Biden respondeu à medida mais tarde. O porta-voz democrata, T. J. Ducklo, disse que Stepien enviou a carta “porque Donald Trump tem medo de enfrentar mais perguntas sobre a sua desastrosa resposta à Covid-19”.

O segundo debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos está marcado para a próxima quinta-feira, 22 de outubro, sendo o último encontro antes das eleições marcadas para o próximo dia 3 de novembro.

O voto antecipado no estado da Florida para as eleições presidenciais norte-americanas começa esta terça-feira com os dois candidatos a disputarem o voto das comunidades hispânicas, que podem decidir o resultado final.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.