Tempo
|
Da Capa à Contracapa
Os grandes temas da actualidade em debate aos sábados, às 9h30. Uma parceria da Renascença com a Fundação Francisco Manuel dos Santos.
A+ / A-
Arquivo
Quantas vezes teve Portugal que apertar o cinto por causa de crises? - Da Capa à Contracapa
Quantas vezes teve Portugal que apertar o cinto por causa de crises? - Da Capa à Contracapa

Da Capa à Contracapa

Quantas vezes teve Portugal de apertar o cinto por causa de crises?

17 out, 2020 • Marta Grosso , Ana Marta Domingues (produção)


Graça Franco, especialista em assuntos económicos e diretora de Informação da Renascença, e o economista Ricardo Reis, presidente do novo Comité de Datação de Ciclos Económico, são os convidados deste sábado.

Faz ideia de quantas vezes foi preciso apertarmos o cinto por causa de crises económicas? Dependendo da idade, poderá lembrar-se de cada uma delas. Porque as crises económicas têm sempre um impacto enorme na vida dos cidadãos, a Fundação Francisco Manuel dos Santos acaba de lançar um novo portal intitulado “Crises na Economia Portuguesa”.

Para compreender o presente e o futuro há que conhecer bem o passado e isso que debatem, no programa desta semana, Ricardo Reis e Graça Franco. Os dois especialistas analisam como as crises por que Portugal passou nos afetam como povo.

No site criado pela FFMS, construído por uma equipa dos mais conceituados economistas nacionais, encontra indicadores como o Produto Interno Bruto (PIB), taxa de desemprego, produção industrial e comércio externo – indicadores que nos ajudam a perceber cada recessão, as suas principais causas e consequências.

Sabia que, em 40 anos, a economia portuguesa passou por cinco recessões completas?

O debate é moderado pelo jornalista José Pedro Frazão.

O Da Capa à Contracapa é um programa da Renascença em parceria com a Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.