Tempo
|
A+ / A-

​Covid-19: Como explicar o "milagre" chinês? Até Portugal já tem mais casos

16 out, 2020 - 16:45 • Pedro Mesquita

António Rosa, um português a residir em Wuhan, onde a doença surgiu pela primeira vez, fala num "cuidado e rigor muito elevados" para conter o novo coronavírus e em medidas mais musculadas: a aplicação “StayAway Covid” chinesa é mesmo obrigatória e funciona como um semáforo.

A+ / A-

Veja também:


Desde o início da pandemia 95.902 portugueses já foram infetados, enquanto na China, onde nasceu a Covid-19, só houve até hoje 91.359 casos.

Serão credíveis, os números apresentados por Pequim? O Ocidente tem grandes dúvidas. Será mais fácil acertar no Euromilhões do que encontrar uma resposta válida para esta pergunta, sobretudo porque não é possível fazer uma avaliação independente.

Os números causam admiração se pensarmos que a população chinesa ronda os 1.400 milhões de seres humanos e em Portugal vivem pouco mais de 10 milhões.

Não há como fazer a “prova dos 9”, mas a Renascença resolveu telefonar a um português que reside em Wuhan, onde a pandemia despertou, com grande alarme, o mundo inteiro.

"O cuidado e o rigor são muito elevados"

António Rosa começa por nos dizer que não conhece, neste momento, qualquer caso de infeção em Wuhan, e há um dado essencial que sublinha: os chineses são mesmo muito rigorosos nos cuidados perante a Covid-19. Mas serão credíveis os números oficiais de Pequim?

"Não tenho dados para responder a isso, não lhe sei dizer, mas não conheço nenhum caso. Agora, se quer que lhe diga, não olho para isto com grande surpresa. Só estando cá é que percebe. Aqui o cuidado e o rigor são muito elevados. Numa situação normal eu diria que sim, que estava surpreendido, mas neste caso os cuidados são mesmo muito apertados", afirma este emigrante português em Wuhan.


Os números oficiais são o que são, mas importa também percebermos até onde vão os cuidados na China para conter a pandemia.

"Aqui anda toda a gente de máscara, mesmo nas ruas, e anda muito vigilante. Por exemplo, se eu quiser agora viajar para outra província da China terei que ser testado, e poderei ser colocado em quarentena. Todos os dias tenho que medir a temperatura à entrada e saída do condomínio onde moro e, quando chego ao trabalho, tenho que medir, de novo, a temperatura. Há um escrutínio muito elevado em toda a parte. Não posso entrar numa loja, num restaurante, num supermercado sem medir a temperatura. Ou seja, há um nível de controlo e rigor que nunca diminuiu desde o início", conta António Rosa.

Os chineses nunca baixaram a guarda e boa prova disso é o número de testes que António Rosa fez, desde que regressou a Wuhan.

"Eu cheguei há coisa de uma ou duas semanas, e já fiz quatro testes de Covid: fiz em Portugal, antes de vir, fiz durante a quarentena e no final, e fiz mais um teste ao sangue para verificar se tenho anticorpos, para poder voltar a trabalhar. E isto são procedimentos obrigatórios".


“StayAway Covid” chinesa é mandatória

Mas há muitas mais regras e sem discussão. Por exemplo, a aplicação “StayAway Covid” chinesa é mesmo obrigatória e funciona como um semáforo.

"A app existe desde janeiro ou fevereiro, e é obrigatória a sua instalação. Toda a gente tem que ter um código verde para poder circular. Se o código não estiver verde, essa pessoa terá que em casa, de quarentena, para não contaminar os outros. Não lhe será permitido o acesso a qualquer local."

Ou seja, se o código for vermelho, nem vale a pena tentar ir a uma loja ou restaurante.

Em contrapartida, a questão dos lares não se põe. Em Portugal têm sido um dos principais focos de alarme, mas a realidade chinesa é mesmo diferente, também no plano cultural.

"Aqui praticamente não existem lares. O normal é que os avós vivam com os seus filhos e os netos, percebe? Aqui não há muito essa ideia 'do descartar' as pessoas mais velhas. Os mais idosos convivem numa mesma casa com o resto da família. Esse problema não se põe cá porque não é frequente colocar as pessoas em lares", afirma António Rosa.

Em síntese, os números chineses da Covid causam grande surpresa e não têm gerado grande credibilidade, à escala mundial, mas só temos acesso aos números oficiais. Agora, é verdade que a prevenção é muito mais apertada. Seria possível impor medidas tão apertadas no mundo ocidental? Poucos acreditarão que sim.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Francelina Pinho
    18 out, 2020 Cascais 15:53
    Acredito que a severidade dos chineses possa ter ajudado a .erradicar o vírus, contudo ponho as minhas reservas quanto aos dados que tornam públicos, dado que a sinceridade não é .seu apanágio.
  • Soeiro
    17 out, 2020 Poro 14:57
    A aplicação Chinesa não é a mesma que a Portuguesa. Assinala se a pessoa foi contagiada (vermelha) ou se não está (verde). Não usa Bluetooth nem localização.
  • FIlipe
    16 out, 2020 évora 23:52
    Tretas , eles confinaram a sério durante algum tempo , nem à janela podiam ir para reduzirem a zero os casos positivos . Depois , a saúde tratou dos casos positivos mesmo sem sintomas , em hospitais campanha com pressão Negativa . Por cá , existiu um confinamento parcial onde foram ainda surgindo casos positivos todos os dias . E , anda a mandar para casa os casos positivos ... ora qualquer leigo percebe que o vírus anda espalhado na mesma por todo o lado em Portugal . O ir para casa espalha o vírus na mesma ...