Tempo
|
A+ / A-

Orçamento do Estado

“Empresas têm muito que se queixar neste orçamento”, diz especialista

16 out, 2020 - 19:52 • Sandra Afonso , Sérgio Costa , Filipe d'Avillez

Nesta última edição de perguntas e respostas sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2021, o consultor Luís Marques, debruça-se sobre questões a ver com o IRC e os apoios às empresas.

A+ / A-

As empresas têm muito que se queixar nesta proposta do Orçamento do Estado, diz Luís Marques.

O consultor da EY dá razão ao presidente da CIP, que criticou a proposta não ser “amiga das empresas”.

Nesta última edição da série de perguntas e respostas sobre o Orçamento do Estado, o consultor debruça-se sobre questões relativas ao IRC e apoios às empresas.

“O estudo da CIP refere que este orçamento não é amigo das empresas, na medida em que não contempla medidas que promovam algum estímulo da economia e do tecido empresarial e isso de facto é notório. Este orçamento é um orçamento muito direcionado para medidas de apoio social, que visam aumentar subsídios para determinadas camadas da população mais afetadas pela pandemia ou situações de desemprego, e naturalmente as empresas têm muito a queixar-se da falta de medidas”, refere.

“A única que merece algum destaque é uma medida muito cirúrgica, para PME que visa diminuir a sua carga fiscal em sede de IRC num tributo especial que existe dentro do IRC que são as chamadas tributações autónomas, que no caso das PME e cooperativas que possam registar prejuízos fiscais em 2020 e 2021, em determinadas circunstâncias, podem não ter um agravamento nesta tributação autónoma. É a única medida que se vê que pode dar algum alívio tributário”, diz Luís Marques.

Ouça todas as respostas de Luís Marques, clicando no link no topo da página.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.