Tempo
|
A+ / A-

Eleições Benfica

"Vieira nunca pensou em nenhum projeto europeu", acusa Rui Gomes da Silva

16 out, 2020 - 12:45 • Carlos Dias

O antigo vice-presidente e candidato às eleições deste mês, em entrevista a Bola Branca, recorda eliminação da Liga dos Campeões como "falta de cultura vencedora" e não estranha que Luís Filipe Vieira não queira marcar presença em debates.

A+ / A-

Em entrevista a Bola Branca, Rui Gomes da Silva, candidato à presidência do Benfica, acusa Luís Filipe Vieira de nunca ter tido um projeto europeu, de forma a que as águias fossem verdadeiramente candidatas à conquista de um título internacional.

"De todas as outras candidaturas, incluído Luís Filipe Vieira, nunca ninguém falou sobre projeto europeu”, aludindo a ter sido o primeiro a falar verdadeiramente de tornar o Benfica num real candidato a títulos.

Gomes da Silva comenta que Luís Filipe Vieira “começou a falar sobre um projeto europeu há um ano e meio”, porque “se tu falas em projeto europeu, então eu vou-te falar de projeto europeu com o Seixal”, dizendo ainda que a ideia de atacar a Europa com a formação é uma “impossibilidade prática”, acusando o presidente do Benfica de “uma dupla mentira”, porque “nunca pensou em nenhum projeto europeu nas atuais circunstâncias”.

O antigo vice-presidente de Luís Filipe Vieira, e atual candidato à presidência, fala em “falta de cultura de vitória” no Benfica e recorda a eliminação da Liga dos Campeões contra o PAOK, esta época, que não foi lamentada por Vieira nem pelos restantes candidatos.

“Perdemos com o PAOK, que tem um plantel de valor dez vezes inferior ao nosso” e, no dia seguinte, “Luís Filipe Vieira e todas as candidaturas que havia na altura, com exceção de mim, vieram dizer que isto não interessa, temos é de ganhar ao Famalicão”.

Na opinião de Rui Gomes da Silva, isto mostra que “falta cultura de vitória, que é uma coisa que o adeptos têm e que quem está neste momento na direção do Benfica não tem”. A explicação é que a direção do clube “não sente o Benfica”, acrescentando que “não se pode entender que uma derrota do Benfica igual a beber um copo de água".

Gomes da Silva promete fazer do Benfica um candidato permanente à conquista da Liga dos Campeões, com Jorge Jesus enquanto seu treinador.

“Vou fazer aquilo que ainda ninguém teve coragem, que é discutir com o treinador do Benfica”, com o objetivo de saber “quais são os passos necessários para que, em conjunto, assumamos a tal ambição europeia. Apesar de Jesus ter estado envolvido num projeto contra nós [no Sporting] vamos perdoar, mas não esquecer. Vamos pegar em Jorge Jesus e tentar fazer aquilo que é preciso para ter um Benfica permanentemente candidato a um título da Liga dos Campeões”, afirma.

Para Rui Gomes da Silva “o Benfica tem de se comparar a Real Madrid e a Barcelona” que “não andam por aí a dizer quantas Liga Europa, ou quantas Taças das Cidades com Feiras é que ganhou”, completando que “o ridículo foi ter apresentado, no meio dos títulos ganhos por Jorge Jesus, duas finais perdidas”.

Ausência de debates não surpreende

Sobre Luís Filipe Vieira não querer debater com os restantes candidatos, Rui Gomes da Silva diz que “quem o conhece não fica nada surpreendido”, uma vez que “não tem projeto para o Benfica e tem medo de ser confrontado com outras ideias”.

Gomes da Silva deixa exemplos de algumas questões para o presidente do Benfica, na impossibilidade da realização de um debate.

“Porque é que vendeu, por exemplo, Rúben Dias da maneira como vendeu? Porque é que foi buscar Otamendi quando o treinador dizia que queria outros dois? Porque é que vendeu João Félix e teve de pagar 10 milhões de comissões? Porque é que foi buscar Alfa Semedo? Porque é que comprou o Ferreyra?” concluindo que “não é que [Luís Filipe Vieira] não tenha jeito para o debate, é medo de ser confrontado com esta situações”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.