Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Bruxelas contra novo confinamento "generalizado e devastador"

15 out, 2020 - 12:37 • Lusa

“Falta-nos tempo”, diz comissária para a Saúde. Stella Kyriakides Stella Kyriakides avança que Estados-membros irão receber em breve a estratégia europeia de vacinação.

A+ / A-

Veja também:


A Comissão Europeia apelou nesta quinta-feira aos Estados-membros que tudo façam para evitar um novo confinamento "generalizado e devastador", numa altura em que a Europa se depara com uma segunda vaga da pandemia de Covid-19.

“Todos devem fazer o necessário para evitar os efeitos devastadores do ponto de vista social, económico e da saúde de um confinamento generalizado”, disse em conferência de imprensa a comissária europeia para a Saúde, Stella Kyriakides.

“Hoje, a minha primeira mensagem para os Estados-membros é de urgência. Falta-nos tempo”, sublinhou a comissária, que apresentou a estratégia de vacinação para a pandemia de covid-19.

Stella Kyriakides acrescentou ainda que a UE tem trabalhado com "uma coordenação sem precedentes", mas "as medidas só funcionarão se forem aplicadas eficazmente".

A comissária recordou que há três semanas advertiu os países que a Europa enfrentava "a última oportunidade" para mitigar uma segunda vaga, apelando aos 27 que partilhassem informações detalhadas sobre os testes que realizam.

Nesta quinta-feira, a Comissão Europeia apresentou a estratégia de vacinação para a pandemia de Covid-19, garantindo que, quando estiver disponível, todos os Estados-membros terão acesso, num critério com base na população.

O plano de distribuição da futura vacina contra a Covid-19 prevê que todos os Estados-membros a recebam ao mesmo tempo e com base no tamanho da população.

Na estratégia, Bruxelas prevê que cada país tenha serviços de vacinação com capacidade para a distribuição, incluindo recursos humanos, equipamento médico, de proteção, de transporte e armazenamento e facilite o acesso das vacinas à população alvo.

A pandemia de Covid-19 é um dos temas em agenda na reunião do Conselho Europeu, hoje e sexta-feira, na qual participa o primeiro-ministro, António Costa.

A pandemia já provocou mais de um milhão e oitenta e sete mil mortos e mais de 38,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.117 pessoas dos 91.193 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.