Tempo
|
A+ / A-

Ana Luisa Amaral vence Prémio literário espanhol Leteo 2020

14 out, 2020 - 18:48 • Lusa

Trata-se de uma “das mais importantes poetas vivas de Portugal”, afirma a organização.

A+ / A-

A poeta portuguesa Ana Luísa Amaral venceu o prémio literário espanhol Leteo, que estava suspenso desde 2017, e cuja entrega será realizada no dia 16 de outubro no Auditório Ciudad de León, noticiaram os órgãos de comunicação social espanhóis.

Este prémio é uma iniciativa da Direção de Ação e Promoção Cultural da Câmara Municipal de Leão e do Clube Leteo Cultural, que o resgataram depois de dois anos sem se realizar, por falta de orçamento.

“Recuperámos [o prémio], porque ele está a atingir a maioridade, e é um compromisso moral porque vi este prémio nascer e crescer”, afirmou a vereadora de Ação e Promoção Cultural, Evelia Fernández, destacando que durante esses anos passaram por Leão os melhores autores internacionais, como Antonio Gamoneda, Paul Auster e Juan Gelman, entre outros.

Segundo o responsável do Clube Leteo Cultural, o poeta Rafael Saravia, na segunda quinzena de outubro terá lugar uma nova edição da conferência organizada pelo Clube, que vai centrar-se na figura e na obra de Ana Luisa Amaral.

Trata-se de uma “das mais importantes poetas vivas de Portugal”, tendo sido também “duas vezes finalista do Prémio Rainha Sofia”, especificou, lembrando ainda o compromisso social da escritora.

Nascida em Lisboa, em 1956, Ana Luísa Amaral é uma poeta portuguesa, tradutora e professora de Literatura e Cultura Inglesa e Americana, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Tem um doutoramento sobre a poesia de Emily Dickinson e as suas áreas de investigação são Poéticas Comparadas, Estudos Feministas e Estudos Queer.

Embora a sua área literária seja essencialmente poesia, tem também publicadas obras de ensaio, teatro, ficção e literatura infantil.

A sua obra poética é editada em Portugal pela Assírio & Alvim.

Depois de ter sido suspenso em 2017 por falta de orçamento, e de Rafael Saravia ter recusado ofertas de Valladolid e Marbella para organizar o prémio nessas cidades – “o prémio nasceu aqui e eu quero que fique aqui”, argumentou o escritor -, o Prémio Leteo regressou este ano graças a um subsídio de 20 mil euros concedido pelo governo municipal.

Sem dotação monetária, o prémio tinha como candidatos favoritos autores como o sul-africano John Maxwell Coetzee, o português António Lobo Antunes, o holandês Cees Nooteboom, o japonês Haruki Murakami e o britânico Ian McEwan.

No âmbito das XIV Jornadas Culturais Leteo, são propostas atividades como a exposição de Reme Remedios, uma mesa redonda com intervenção de José Luis Puerto, a apresentação do livro de contos de Eduardo Boix e do livro de poesia de Arturo Borra.

Todas as atividades manterão um controlo estrito das medidas de segurança contra a Covid-19, tais como distância de segurança, capacidade limitada e uso obrigatório de máscara em todos os eventos.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.