Tempo
|
A+ / A-

Estado de calamidade

Covid-19: Governo quer impor obrigatoriedade de máscara na rua e app Stayaway Covid

14 out, 2020 - 13:42

António Costa anuncia que vai apresentar ao parlamento uma proposta para que seja obrigatório o uso de máscara na via pública e a utilização da aplicação "Stayaway Covid" em contexto laboral e escolar.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro, António Costa, anunciou hoje que o Governo vai apresentar ao parlamento uma proposta para que seja obrigatório o uso de máscara na via pública e a utilização da aplicação "Stayaway Covid" em contexto laboral e escolar.

Em conferência de imprensa após o Conselho de Ministros no qual foi decidido elevar para a situação de calamidade o território nacional devido à pandemia, António Costa anunciou um conjunto de medidas.

“Apresentar à Assembleia da República uma proposta de lei a que solicitaremos uma tramitação de urgência para que seja imposta a obrigatoriedade de uso da máscara na via pública - com o óbvio bom senso de só nos momentos em que há mais pessoas na via pública - e também da utilização da aplicação stayaway covid em contexto laboral, escolar e académico, nas Forças Armadas e nas Forças de Segurança e no conjunto da administração pública”, anunciou.

Portugal volta ao estado de calamidade. O Governo aprovou esta quarta-feira novas medidas para conter a pandemia de Covid-19, anuncia o primeiro-ministro, António Costa.

A partir da meia noite de hoje ficam proibidos ajuntamentos na via pública de mais de cinco pessoas. A medida aplica-se a outros espaços de uso público e na restauração.

Serão impostas limitações a casamentos e batizados, os festejos académicos estão proibidos e as multas vão ser agravadas para empresas que não cumpram as regras.


NÚMERO DE CASOS DIÁRIOS DE COVID-19

Portugal registou nas últimas 24 horas um recorde de 2.072 casos de Covid-19 e sete mortes, avança a Direção-Geral da Saúde.

Desde a chegada da pandemia ao país, no final de fevereiro, estão confirmados um total acumulado de 91. 193 casos e 2.117 óbitos.

Estão internados nos hospitais portugueses 957 doentes com Covid-19, mais 41 em relação ao dia anterior. Há mais três pessoas em unidades de cuidados intensivos, num total de 135.

O recorde diário de casos é registado no dia em que o Governo passou todo o país de situação de contingência para o estado de calamidade.

O Governo aprovou esta quarta-feira oito novas medidas e restrições para conter a pandemia de Covid-19, anuncia o primeiro-ministro, António Costa. Entre elas estão a proibição de ajuntamentos de cinco pessoas, obrigatoriedade do uso da máscara e da app StayAway Covid, restrições aos casamentos e agravamento de coimas para pessoas coletivas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    14 out, 2020 Lisboa 17:40
    E como é que vão ver se as pessoas instalaram ou não a app, que diga-se de passagem, se não tiver os códigos inscritos, é apenas mais um consumidor de bateria? Exigem que entreguem o telemóvel? Andam com mandatos judiciais personalizados no bolso para exigirem isso?
  • Cidade
    14 out, 2020 cá 14:39
    Máscaras na rua, sim. E colocadas devidamente, não como aparece muitas vezes em que é um "adorno de pescoço". Agora a aplicação, essa, obrigatória ou não, é inútil se as pessoas não inserem os códigos. E por esta ou aquela razão, isso não está a ser feito