Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Covid-19. Macron anuncia recolher obrigatório em várias cidades de França

14 out, 2020 - 19:43 • Lusa

O recolher aplica-se entre as 21h e as 6h, mas o Presidente alerta que um regresso ao confinamento seria uma medida “desproporcional” nesta fase.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República de França, Emmanuel Macron, anunciou esta quarta-feira o regresso do recolher obrigatório em várias cidades.

O recolher obrigatório vai ser aplicado a nove regiões francesas a partir de sábado e pode vir a durar até seis semanas.

Emmanuel Macron considerou esta quarta-feira à noite, em entrevista em direto à televisão francesa, que o recolher obrigatório é "pertinente", mas que um novo confinamento seria "desproporcional".

"O nosso objetivo é reduzir os contactos privados, ou seja, quando estamos mais à vontade. Vamos estar com pessoas que não fazem parte do nosso círculo familiar. É quando estamos mais próximos que há mais risco, portanto o recolher obrigatório é pertinente", afirmou o Presidente.

O recolher obrigatório vai ser instaurado das 21h00 às 06h00 a partir de sábado na região de île de France (região parisiense), Lille, Ruão, Saint-Etienne, Toulouse, Lyon, Grenoble, Aix-en-Provence e Montpellier.

Tal como durante o confinamento, haverá exceções a este recolher obrigatório, mas salas de cinema, restaurantes e outros locais de frequentação pública vão fechar a partir das 21:00.

As exceções vão poder ser justificadas através de declarações que vão permitir a quem trabalha ou quem tem de sair de casa à noite, para ir ao médico, por exemplo, possa fazê-lo.

Os transportes vão continuar a circular mesmo depois das 21:00 e com a aproximação de duas semanas de férias escolares, Macron assegurou que não haverá qualquer restrição às viagens entre diferentes regiões.

O desrespeito destas novas regras vai levar à aplicação de multas, como aconteceu no período de confinamento. A multa será de 135 euros e pode agravar-se até 1.500 euros.

Para as reuniões em casa e entre família, Macron aconselhou que seja mantida a "regra dos seis".

"Quando convidamos amigos, devemos tentar que não haja mais de seis pessoas à mesa", disse Emmanuel Macron.

Quanto a ajudas suplementares à economia, nomeadamente aos setores da restauração, cultura e turismo, o Presidente anunciou o restabelecimento da medida de ‘lay-off’ apoiado pelo Estado com o pagamento de 84% dos salários para os trabalhadores nesses setores de atividade e o pagamento a 100% para os empregadores.

"Vamos ter dispositivos suplementares porque de forma muito clara, eu não quero que os nossos trabalhadores independentes, as nossas pequenas e médias empresas fechem ou vão à falência devido ao recolher obrigatório", indicou o chefe de Estado.

As pessoas com rendimentos mais baixos vão receber nas próximas seis semanas 150 euros extra nas suas prestações sociais e 100 euros por criança.

A notícia surge no dia em que foram registadas perto de 23 mil infeções em França, elevando o total para perto dos 780 mil desde o início da pandemia. No país já morreram mais de 30 mil pessoas de Covid-19.

[Notícia atualizada às 20h39]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.