Tempo
|
A+ / A-

UGT critica Orçamento que não responde aos problemas do país

13 out, 2020 - 16:49 • Sandra Afonso

Central sindical não entende que, havendo condições, “se continue a verificar o aumento contido do salário mínimo" e não se garanta o "aumento de todas as pensões a 1 de janeiro de 2021".

A+ / A-

A UGT diz que o Orçamento do Estado para 2021 proposto pelo Governo fica aquém do esperado e não responde aos problemas do país.

Segundo a central sindical, é “gritante” e não se entende, tendo o executivo condições, que “se continue a verificar o aumento contido do salário mínimo" e não se garanta o "aumento de todas as pensões a 1 de janeiro de 2021".

A UGT lamenta ainda que ainda não seja o momento, segundo o Governo, “para aumentos condignos dos funcionários públicos". Nem sejam corrigidos os aumentos de imposto do tempo da troika.

Apesar do Governo dizer que a valorização dos rendimentos é essencial para sair da crise, a UGT não encontra essa estratégia no Orçamento.

Critica ainda a pouca prioridade dada ao investimento público, à valorização dos serviços públicos ou à qualidade do emprego.

Este Orçamento responde às necessidades imediatas, diz a UGT, mas “não é uma resposta mais efetiva de médio prazo para o país, o que se torna ainda mais evidente pelas várias medidas transitórias e excecionais que não sabemos se se manterão, entre as quais destacamos os apoios sociais, designadamente o apoio extraordinário ao rendimento".

Ainda assim, a central sindical liderada por Carlos Silva reconhece que o documento responde a algumas das preocupações que manifestaram, nomeadamente com a subida do valor mínimo do subsídio de desemprego e a criação de uma prestação social universal, para garantir a proteção mínima a todos os atingidos pela crise pandémica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.