Tempo
|
A+ / A-

Fátima

D. António Marto diz que "no Natal não se pode repetir o que aconteceu na Páscoa"

12 out, 2020 - 20:50 • Teresa Paula Costa

Apenas seis mil peregrinos foram autorizados a participar nas celebrações de 13 de Outubro em Fátima, a última peregrinação oficial do ano. Pandemia "acelerou a secularização" mas também representa "uma chance", diz cardeal.

A+ / A-

Veja também:


“No Natal não podemos repetir o que aconteceu na Páscoa”, disse esta segunda-feira o cardeal D. António Marto na conferência de imprensa que antecedeu o início das celebrações da peregrinação de outubro.

Considerando que “estamos a viver um novo momento de provação e de escolha, apelidada de segunda vaga do vírus”, o bispo da diocese de Leiria-Fátima frisou que “isso depende de nós” e elogiou o comportamento dos peregrinos que, “em maio respeitaram o nosso apelo para não virem”. “Estou certo que agora o vão respeitar na mesma, vindo, mas faseadamente como tem acontecido nestes últimos dias”, concluiu o prelado.

A peregrinação de outubro é presidida pelo Presidente da Conferência Episcopal. Na mesma conferência de imprensa e aludindo ao momento atual, D. José Ornelas reconheceu que “agora as igrejas estão menos povoadas”, alertando para os riscos da falta de encontro entre os fiéis, o que “pode levar a um processo grave de saúde mental”.

FALTA DE PEREGRINOS LEVA A REESTRUTURAÇÃO NO SANTUÁRIO

A pandemia tem tido impacto negativo na vida da igreja, com a redução para um terço da presença de fiéis nas celebrações dominicais.

A situação também tem marcado profundamente o santuário de Fátima, salientou o reitor, que admitiu que “o ano de 2020 tem sido um dos mais difíceis, sem peregrinos e com uma redução drástica do fluxo de trabalho.”

Na ocasião, o padre Carlos Cabecinhas precisou que “entre março e agosto tivemos o cancelamento de 436 grupos” e que “entre outubro e novembro temos apenas 97 grupos inscritos”, contra “733 grupos” que se inscreveram no ano passado só no mês de outubro. O que originou “uma quebra de receitas de 50,6% e uma quebra de donativos de 46,9%” até ao final de setembro.

Situação que obrigou à elaboração de um plano de reestruturação no âmbito do qual, revelou o reitor, “chegámos a 14 acordos amigáveis de rescisão, todos por iniciativa dos próprios colaboradores.”

Por outro lado, “ao longo de todo o ano, registámos a passagem de 4 funcionários à reforma, tivemos 15 demissões por iniciativa do próprio trabalhador, e 18 não renovações de contratos a prazo a termo certo.” Mesmo assim, frisou o padre Carlos Cabecinhas, “aumentámos em 60% os apoios sociais a pessoas e famílias”, apoios que a somar aos que foram concedidos a instituições de solidariedade, totalizam “cerca de 800 mil euros”, não estando aqui incluídos “os apoios que o santuário dá à Igreja em Portugal.”

Sobre a situação, o bispo de Setúbal deu o exemplo da sua diocese. Segundo D. José Ornelas, “tenho paróquias que mesmo a retribuição que o padre costuma receber teve de ser reforçada a nível central da diocese para que não faltasse o essencial”, o que “constitui um problema relevante e prático na vida da Igreja.” Situação que se estende a praticamente todas as paróquias, onde o número de pessoas assistidas pelos serviços da Cáritas “subiu exponencialmente nos primeiros meses.”

CARDEAL ANTONIO MARTO: PANDEMIA É UMA CHANCE

Para o cardeal António Marto, “se, por um lado, a pandemia acelerou a secularização” ela “também é uma chance”, pois “vivemos um tempo de provocação à dimensão religiosa da vida”. Ou seja, “a Igreja não é só números”, mas sim “um desafio para cada um personalizar a fé”. “Isto pode interrogar e não deixa de interrogar muita gente sobre o sentido da sua vida e pode abrir muitos corações à fé”, rematou o cardeal.

A peregrinação de outubro é a última peregrinação oficial do ano ao santuário de Fátima. As celebrações deste dia 12 iniciam-se às 21h30, com a recitação do rosário, seguindo-se a procissão das velas e a liturgia da Palavra. No dia 13, as cerimónias começam às 9h00, com a recitação do rosário, seguindo-se a celebração da Missa, com a bênção dos doentes e a procissão das velas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+