Tempo
|
A+ / A-

Austrália

Estudo. Covid-19 pode sobreviver 28 dias em superfícies à temperatura ambiente

12 out, 2020 - 08:02 • Lusa

Entre outras conclusões, a pesquisa sugere que as altas temperaturas reduzem a possibilidade de infeções por Covid-19, que pode sobreviver mais dez dias do que o vírus da gripe.

A+ / A-

Veja também:


O novo coronavírus pode sobreviver pelo menos 28 dias em superfícies como o plástico e o aço a 20 graus centígrados, a temperatura ambiente, de acordo com um estudo da agência científica australiana publicado na madrugada desta segunda-feira.

O SARS-CoV-2, responsável pela pandemia que infetou mais de 37 milhões de pessoas no planeta e fez mais de um milhões de mortos, pode sobreviver mais dez dias do que o vírus da gripe, apontou a Organização da Investigação Científica e Industrial da Commonwealth da Austrália (CSIRO, na sigla original).

"A 20 graus Celsius, que é a temperatura ambiente, descobrimos que o vírus era extremamente forte e sobreviveu durante 28 dias em superfícies lisas como o vidro, encontrado em telemóveis, e cartões de plástico", disse a vice-diretora do Centro Australiano de Preparação para Doenças da CSIRO, Debbie Eagles, citada pela agência de notícias Efe.

A 30 graus Celsius, as hipóteses de sobrevivência do vírus baixam para 21 dias em notas de papel e sete dias em cartões de plástico ou aço inoxidável.

Já se a temperatura for de 40 graus, o SARS-CoV-2 pode manter-se durante 48 horas em superfícies de plástico, um dia em vidro, aço, papel e plástico, e menos de 16 horas em vestuário de algodão, de acordo com o estudo, publicado na revista científica Virology Journal.

Os investigadores, cuja pesquisa sugere que as altas temperaturas reduzem a possibilidade de infeções por Covid-19, inseriram vírus em muco artificial e colocaram quantidades semelhantes de amostras recolhidas de doentes infetados em várias superfícies.

Depois, isolaram novamente o coronavírus durante um mês em condições de temperatura variável, colocando as amostras no escuro, para remover o efeito dos raios ultravioleta.

"Embora ainda não tenham sido determinados o papel preciso da transmissão superficial, o grau de contacto e a quantidade de vírus necessária para a infeção, podemos estabelecer o tempo que este vírus sobrevive em superfícies", disse a mesma fonte.

O diretor do Centro Australiano de Preparação para Doenças da CSIRO, Trevor Drew, precisou, no entanto, que o tempo de sobrevivência depende do tipo e quantidade de vírus, da superfície, das condições ambientais ou da forma como é expulso do corpo.

"As proteínas e gorduras em fluidos humanos também aumentam significativamente o tempo de sobrevivência do vírus", explicou.

Os cientistas esperam que a descoberta contribua para desenvolver estratégias de redução dos riscos em áreas de elevado contacto e para tentar compreender a aparente propagação persistente em ambientes frios com elevada contaminação de proteínas e lípidos, tais como matadouros.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de um milhão e setenta e quatro mil mortos e mais de 37,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.