Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Números "alarmantes". Hospitais alertam que nova vaga vai deixar para trás (outra vez) doentes não Covid

08 out, 2020 - 15:35 • José Pedro Frazão , Cristina Nascimento

No segundo dia com mais casos de Covid-19 em Portugal, o presidente da Associação de Administradores Hospitalares denuncia que descoordenação entre hospitais ainda não foi ultrapassada.

A+ / A-
Entrevista a Alexandre Lourenço, presidente da Associação dos Admnistradores Hospitalares - 08/10/2020
Entrevista a Alexandre Lourenço, presidente da Associação dos Admnistradores Hospitalares - 08/10/2020
Oiça a entrevista a Alexandre Lourenço na íntegra

Veja também:


O presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) alerta que, numa segunda vaga da Covid-19, serão os doentes não Covid outra vez a ficar desprovidos de assistência médica.

“Esta resposta à Covid-19 e a esta nova segunda vaga vai condicionar a resposta aos doentes não Covid”, diz Alexandre Lourenço, em entrevista à Renascença.

Alexandre Lourenço diz que é esse o cenário mais provável, dada a falta de recursos existentes no país.

“Na maioria das instituições aquilo que vamos ter que fazer e que temos preparado é que, não tendo recursos e não sendo possível ter recursos para responder à questão da Covid e também às necessidades gerais dos doentes, vamos ter que, mais uma vez, começar a adiar atividade programada - cirúrgica e consultas - para realocar esses recursos para a resposta à Covid-19”, explica.


No dia em que Portugal voltou a registar mais de mil casos de Covid-19 em 24 horas, Alexandre Lourenço olha para estes números que diz serem “alarmantes”, antevendo “uma pressão muito grande sob os hospitais”.

Alexandre Lourenço lamenta que, de março para cá, não tenham sido feitos mais avanços na articulação entre hospitais, garantido que a descoordenação “não está ultrapassada”.

“Não faz sentido que as instituições respondam sozinhas, isoladas à pressão que vai sendo criada, sem meios de articulação com outras instituições. Não podemos chegar a um ponto, como vivemos em maio, em que diretores clínicos, por exemplo do Hospital Fernando Fonseca, pediam por favor para internar doentes em outros hospitais, em Abrantes e em Santarém”, exemplifica.

O presidente da APAH identifica ainda como necessários “mecanismos e automatismos que nos permitam ter uma resposta em rede assegurada, que possaM prever e antecipar o que pode suceder à semana, de forma a que os hospitais possam preparar as suas estruturas e os seus profissionais de saúde, não sendo obrigados a tomar decisões para o dia”.

EVOLUÇÃO DA COVID-19 EM PORTUGAL

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+