Tempo
|
A+ / A-

Jornalista ​Aura Miguel distinguida com o Prémio Maria Barroso

08 out, 2020 - 15:50 • Henrique Cunha

Vaticanista da Renascença recebe galardão que promove o jornalismo ao serviço da paz e desenvolvimento.

A+ / A-

A jornalista Aura Miguel, da Renascença, foi distinguida com o Prémio Maria Barroso - Jornalismo ao Serviço da Paz e Desenvolvimento. O galardão será entregue a 18 de outubro, em Castelo Branco.

Instituído em 2017, e com o apoio da Fundação Pro Dignitate, este prémio é direcionado para agentes ativos, onde se destaca o percurso profissional, pautado pela defesa da paz e do desenvolvimento social.

Aura Miguel, “a conhecida e reconhecida jornalista da Renascença, especialista em assuntos religiosos e relacionados com a Santa Sé, será a laureada 2020”, revela a nota de imprensa da Câmara de Castelo Branco, concelho que vai receber a edição deste ano.

Avelina Ferraz, curadora e responsável pela produção do Prémio salienta que “o legado de Maria Barroso exalta o seu enorme envolvimento com as questões sociais e com a promoção pelo respeito da vida humana” e que “era uma pedagoga experiente e profundamente conhecedora das suas causas onde fazia questão de marcar a diferença”.

Por sua vez, o autarca José Augusto Alves diz que “é uma honra poder receber esta iniciativa em Castelo Branco”.

“Somos cada vez mais reconhecidos enquanto concelho cultural de excelência e este evento vem reforçar esse posicionamento, pelo qual temos trabalhado ao longo dos anos”, destaca o autarca, para quem “juntar tantas personalidades num só espaço e num só dia é, por si só, um motivo de grande orgulho.”

José Augusto Alves lembrou também o papel que Maria Barroso teve na sociedade portuguesa, classificando-a como “uma mulher de causas, antifascista, que sempre lutou por melhorar as condições de vida das pessoas”.

O autarca acrescentou que “esta é uma forma de homenagear Maria Barroso” e destacou “também o percurso da jornalista Aura Miguel” que acompanha a atualidade do Vaticano e as visitas efetuadas pelos últimos três Papas.

O evento que inclui a entrega do prémio Maria Barroso à jornalista Aura Miguel está marcado para domingo dia 18 de outubro.


Tem início ao meio dia na Sé Catedral da cidade, começa com uma eucaristia dominical presidida por D. Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa e presidente do conselho de gerência da Renascença. Para as 15h00, no Cine Teatro Avenida, está agendado um momento musical com o grupo “Arame Ensemble” e o pré-lançamento do livro “Maria e Sophia, confidências e Desabafos”, da autoria de Rosabela Afonso. Uma obra que será apresentada por Henrique Monteiro e Luísa Mellid-Franco.

O Prémio Maria Barroso, Jornalismo ao Serviço da Paz e do Desenvolvimento será entregue a Aura Miguel pelas 16h00, seguindo-se a exibição de um documentário dedicado a Maria Barroso.

A iniciativa inclui uma entrevista a Aura Miguel, a vencedora da edição deste ano que estará a cargo do jornalista da Renascença José Pedro Frazão e contará com a presença e depoimentos de Dom Américo Aguiar e Frei Fernando Ventura.

Em 2017 o prémio foi atribuído à Jornalista Cândida Pinto, em 2018 venceu Conceição Queirós e em 2019 Maria António Palla.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.