Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Índia desenvolve teste rápido em papel e de baixo custo

07 out, 2020 - 07:36 • Sofia Freitas Moreira com agências

Investigadores estimam que o kit pode revelar os resultados em menos de uma hora, a um preço de 5.80 euros. A autoridade reguladora da Índia já aprovou o teste para uso comercial.

A+ / A-

Veja também:


Uma equipa indiana de cientistas desenvolveu um teste de papel de baixo custo para a deteção da Covid-19, que pode revelar resultados tão rapidamente como um teste de gravidez.

O teste, com nome inspirado num célebre detetive ficcional indiano, é baseado numa tecnologia de edição genética chamada “Crispr”, avança a BBC. Os investigadores estimam que o kit - chamado "Feluda" - pode revelar os resultados do teste em menos de uma hora, a um preço de 5,80 euros (500 rúpias).

O kit vai ser produzido por um conglomerado líder na Índia e pode vir a ser o primeiro teste em papel do mundo para a Covid-19 comercializado.

“Isto é um teste simples, preciso, fiável, escalável e poupado”, disse o professor K Vijay Raghavan, o principal conselheiro científico do governo indiano, à BBC.

Os cientistas do IGIB (Institute of Genomics and Integrative Biology), na capital indiana Deli, onde o "Feluda" foi desenvolvido, bem como laboratórios privados, analisaram o teste em amostras de cerca de dois mil pacientes, incluindo de pessoas que já tinham testado positivo para o novo coronavírus.

A equipa descobriu que o teste tinha uma taxa de sensibilidade de 96% e uma taxa de especificidade de 98%. A precisão de um teste é baseada nestes dois indicadores, uma vez que um teste que seja altamente sensível deteta quase todos os casos positivos da doença. Por outro lado, um teste de alta especificidade exclui corretamente quase todos que não tenham o vírus.

A sensibilidade garante que não haja demasiados falsos negativos e a especificidade falsos positivos. A autoridade reguladora da Índia já aprovou o kit para uso comercial.

A recolha das amostras para o teste será semelhante à do teste PCR – através da inserção de uma zaragatoa (cotonete comprido) nas narinas, para detetar a doença no fundo da passagem nasal. A Índia ainda não permite testes à Covid-19 por meio de amostras de saliva.

Duas linhas azuis indicam um resultado positivo e uma única linha azul significa que o teste deu negativo.

“A testagem continua a ser um recurso limitado e algo que tem de ser melhorado da melhor forma que conseguirmos para aumentar a sua disponibilidade. O Feluda é um passo importante nessa direção”, conta à BBC o médico Stephen Kissler, da Escola de Medicina de Harvard.

Com mais de 6,7 milhões de casos confirmados de infeção, a Índia é segundo país do mundo mais afetado pela pandemia da Covid-19, apenas ultrapassado pelos Estados Unidos. Mais de 104 mil pessoas morreram da doença no país.

Depois de um começo lento, a Índia testa, agora, cerca de um milhão de amostras por dia, em mais de 1.200 laboratórios espalhados pelo país.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.